.
.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Os Senhores da Guerra


Este fim de Semana somos brindados com um acontecimento de caracter internacional. Ao ouvir ler e ver, as notícias relacionadas com este acontecimento. As perturbações e as alterações da vida de milhares de pessoas, que vão ter as suas vidas alteradas, que vão sofrer prejuizos nas suas actividades profissionais e pessoais, lembrei-me desta canção.
Pronto! Não gosto de guerras e de tudo a que a elas cheira.

9 comentários:

Teófilo Silva disse...

Já somos dois. Eu detesto não só a guerra como também todos os que a praticam. Portugal deveria estar hoje de luto.

flor de jasmim disse...

Nem suporto a palavra "guerra" acho que deviam ser punidos os que para ela contribuem.

Beijinho

Fê-blue bird disse...

Já somos quatro, eu também não gosto!
Mas dos Madredeus estou a fim ;-)


beijinhos

Anónimo disse...

Comunicado da AJA

“O que é preciso é criar desassossego. Quando começamos a criar alibís para justificar o nosso conformismo, então está tudo lixado! (...) Acho que, acima de tudo, é preciso agitar, não ficar parado, ter coragem, quer se trate de música ou de política. E nós, neste país, somos tão pouco corajosos que, qualquer dia, estamos reduzidos à condição de “homenzinhos” e “mulherzinhas”. Temos é que ser gente, pá!”...
José Afonso
Entrevista realizada por Viriato Teles, In: Jornal Se7e, 27/Novembro/85

A Associação José Afonso não pode ficar indiferente à realização da cimeira da NATO em Lisboa. Os senhores da guerra vão reunir-se…
A AJA apoia o vasto movimento de cidadãos contra a Guerra, pela PAZ e contra a NATO. Assim, apelamos aos nossos associados e amigos para participarem nas iniciativas que vão decorrer em Lisboa, em particular na manifestação dia 20, no Marquês de Pombal, pelas 15 horas.

A Associação José Afonso afirma-se solidária com a Greve Geral do próximo dia 24 de Novembro, convocada pelas centrais sindicais CGTP e UGT e também por sindicatos independentes.
Teremos a nossa sede encerrada nesse dia e apelamos aos sócios e amigos da AJA que marquem presença nesta manifestação de repúdio à política do governo.

Setúbal, 9 de Novembro de 2010
O Presidente da AJA
Francisco Fanhais

Anónimo disse...

Os comentários anteriores são redutores e ilusórios. Nada pior do que criar a ilusão de que em matéria de segurança internacional há os bons e os maus, pois, apesar de todos os erros cometidos, a existência da Nato tem permitido que grande parte do planeta viva em Paz.
Talvez no dia em que o Irão ou a Coreia do Norte tenham a arma nuclear, uma certa esquerda que ainda sofre do sindroma da evangelização pela cartilha anti-ocidente, compreenda que um bloco militar desta natureza faz sentido e que não se limita a ser o braço armado do capitalismo.
Será impressão minha ou estas mesmas vozes nunca se terão levantado contra o Pacto de Varsóvia?

Rogério Pereira disse...

Os senhores da guerra
viram um dia uma pomba
Olharam-nas desdenhosos
Ah, se fosses bomba...

Os pretextos que esta gente arranja, para dinamizar os mercados do armamento
Com eu lamento...

(não conhecia esta interpretação dos Madredeus, obrigado por a ter divulgado)

ai ai disse...

"Os homens fizeram
Um acordo final
Acabar com a fome
Acabar com a guerra, viver em amor"

Parte duma cantiga dos "Duo Ouro Negro" recentemente aqui postada.
Não é esse o acordo "final" que os falcões da NATO aqui vêm fazer. Mas é este o sonho de muitos de nós. O mundo só sai da confusão economico-financeira em que está envolvido se desviarem grande parte das verbas destinadas a sustentar o belicismo da Nato, em favor da Paz e da sobrevivencia dos povos.

Luís Coelho disse...

As politicas voltadas para a guerra são poderosas e os seus mentores são falaciosos tentando mostrar a sua utilidade de bons princípios.

Continuarei lutando para que o dinheiro das bombas seja transformado em educação em saúde e boa formação de todos os seres.

Que todos os povos se respeitem e sejam cordiais, pacíficos....

sinfonia disse...

Esta cimeira em Lisboa também não
é do meu agrado. Também não sou a
favor de guerras. Há tanta fome no mundo e não só de comida...
Mas a indústria das armas é muito
poderosa...e Portugal infelizmente
não tem neste momento(será que alguma vez teve?) para se impor com
dignidade e os portugueses são tão
passivos que parece que tudo lhes é
alheio...
Foi um prazer estar aqui.
Saudações