.
.

terça-feira, 30 de dezembro de 2008

“Contudo ela move-se”. Mal, mas move-se...

Apesar de tudo a nossa câmara não dorme! Então não é que em véspera das festividades natalícias brindou o martirizado Beco das Cidades Geminadas com uma placa toponímica?
Valeu a pena termos insistidos – pensarão os nossos estimados clientes. Puro engano...
Para espanto geral (ou talvez não) a placa agora (re)posta é a já nossa conhecida placa do Beco das Cidades Germinadas.


Assim, uma vez que a nossa novel câmara insiste em fazer germinar as cidades, o Largo das Calhandreiras sugere que a Assembleia Municipal (que reúne esta noite) determine que a partir de 1 de Janeiro de 2009, na Marinha em Grande, as sementes passem a geminar! Isso é que era serviço! Ó Sr. Director Encartado, não diga que não dava uma bela primeira página?!...

.

Retrospectiva de 2008

Retrospectiva da actividade camarária no decorrer de 2008, aproveitando o lembrete de há um ano atrás, que a conjuntura não está para gastos:



E mais dizem que eles não fazem nada, imaginem se fizessem tinha de gastar para aí uns dois post-it.

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Revista de Imprensa

"Orçamento de 35 milhões para 2009"

O Orçamento e as Grandes Opções do Plano para 2009 da Câmara da Marinha Grande são hoje, sexta-feira, discutidos e votados em reunião de executivo. Em cima da mesa vai estar o destino a dar a cerca de 35 milhões de euros que estão previstos no orçamento.
Daquela verba, o REGIÃO DE LEIRIA apurou que perto de sete milhões serão destinados a viadutos, obras em arruamentos e comunicações, com a variante nascente a ter orçamentado 1,250 milhões de euros para 2009 e 1,8 milhões para 2010.
A melhoria e alargamento da rede de saneamento estão também incluídos nos documentos previsionais, com uma verba que ronda o milhão de euros. Ainda neste capítulo, a Câmara prevê pagar 1,4 milhões de euros à SIMLIS pelo tratamento dos afluentes.
A construção de um novo mercado municipal está também previstas. Porém, não está dotada com qualquer verba.
Dos 35 milhões de euros, cerca de 55 por cento são destinados à despesa corrente, enquanto 45 serão para despesas de capital (investimento).

Vereadores do PS sentem-se discriminados. Os representantes do Partido Socialista na Câmara apenas receberam os documentos ontem, quinta-feira, já depois do fecho desta edição. “É escandaloso. Vamos ter de votar os documentos, mas ainda [na quarta-feira] não os temos em nossa posse. Os membros da Assembleia Municipal já têm conhecimento do ‘rascunho’, mas não nos entregaram nada. Além de que não nos perguntaram se tínhamos propostas”, adianta João Paulo Pedrosa, vereador socialista.
O presidente da Câmara da Marinha Grande, Alberto Cascalho, reconhece que os representantes têm alguma razão no que se refere ao atraso. De acordo com o autarca, os documentos não foram entregues antes devido “às profundas alterações que existiram na legislação”. “Estamos a trabalhar intensamente no Orçamento e esperamos entregar a versão final amanhã [ontem, quinta-feira].



"Cascalho confiante nos fundos do QREN"

O presidente da Câmara da Marinha Grande, Alberto Cascalho, acredita que a candidatura da cidade vidreira estará entre as eleitas da segunda fase das Parcerias para a Regeneração Urbana. O autarca, no discurso dos festejos do décimo aniversário do Museu do Vidro, explicou que, apesar de ainda não existir uma resposta definitiva, existem boas perspectivas de a Marinha Grande ser um dos municípios contemplados.
A candidatura que prevê a reabilitação de parte do Património Stephens e do centro tradicional tem um orçamento que ronda os nove milhões de euros, dos quais 70 por cento são comparticipados.



(surripiado do Região de Leiria)

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Nova Rubrica Semanal


Presentes de Natal III



Ora agora para o Dr. João Barbas Pedrosa temos, deixa cá ver, deixa cá ver... não, não é um cheque-filho para estimular a procriação e o comércio local, também não é uma Bíblia do Benfica, também não é um lugar de deputado de terça à quinta, ora deixa ver... cá está! Para o Dr. João Barbas Pedrosa, o único político marinhense que frequenta o nosso largo de forma assumida, não vai uma mas sim duas, duas prendas de Natal de qualidade superior: uma magnífica pinça em aço inoxidável sul coreano (o melhor do mundo), para retirar um espinhito encravado que o anda a incomodar há quase quatro anos e um frasco da melhor mostarda - Top Sabor de 200g de prazer (receita original "d' avó"), especial para salsichas alemãs. Boas Festas e escusa de agradecer.

Revista de Imprensa

(foto: Jornal de Leiria)



"Cerca de 20 SAP do Norte e Centro poderão fechar"


A notícia de que quase 20 Serviços de Atendimento Permanente (SAP) no Norte e Centro do País poderão ser fechados no primeiro semestre de 2009 deixou apreensivos os autarcas das Câmaras da Marinha Grande e Figueiró dos Vinhos.
Fonte do Ministério da Saúde disse ao Expresso que nos primeiros seis meses do próximo ano a entrega de três helicópteros do Instituto Nacional de Emergência
Médica a Ourique, Macedo de Cavaleiros e Aguiar da Beira vai permitir fechar “quase duas dezenas de SAP que ainda funcionam no horário nocturno e se localizam sobretudo no Norte e no Centro”. A fonte não quis, contudo, adiantar quais os centros de saúde implicados.
Luís Guerra Marques, portavoz da Comissão de Utentes pela Defesa do SAP 24 horas da Marinha Grande, foi “surpreendido” pelo que considera serem “más notícias”. Ainda assim, está confiante de que o SAP da Marinha Grande irá manter-se. O portavoz argumenta que, em Abril, o Ministério da Saúde respondeu a uma carta de Bruno Dias (PCP), onde afirmava manter e dotar com mais meios o SAP da Marinha Grande. Luís Guerra Marques garante que a comissão de utentes ficará atenta e vai reunir-se para tomar posição.
Alberto Cascalho, presidente da Câmara da Marinha Grande, também está convicto de que o SAP da Marinha Grande “não poderá encerrar”, pelo elevado número de atendimentos que regista e por se tratar de um meio fabril.
(...)



(surripiado do Jornal de Leiria)

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Ração de Combate


afinal não é só a ministra da educação que faz cócó

pelos vistos o do ambiente também faz e vem largá-lo a Leiria, o maroto...

BE culpa ministro pelas descargas na Ribeira dos Milagres

Revista de Imprensa

"Novo mercado com projecto"

As futuras instalações do Mercado Municipal da Marinha Grande vão nascer junto ao local – zona desportiva - onde actualmente estão instaladas as tendas que servem provisoriamente de mercado. De acordo com o vereador responsável pelo pelouro das Obras Públicas, o independente Artur Pereira, a autarquia “já entregou o projecto de arquitectura a um gabinete e já escolheu o local”.
“Devido ao sucesso que o mercado está a ter naquele local, decidimos localizá-lo ali. Os acessos são bons e há condições de estacionamento. O projecto está a ser elaborado para aquela área, mas fora da zona desportiva”, esclarece o responsável.
O autarca adianta que a estrutura a construir terá semelhanças com o edifício do mercado de Vieira de Leiria em termos funcionais. Afirma ainda que a obra poderá ser realizada por cerca de um milhão de euros.
Artur Pereira confirma também a pretensão de vender do edifício construído para mercado junto ao centro comercial Atrium. Segundo o vereador, a hasta pública deverá avançar quando a situação económica melhorar. “Este não é o melhor momento para alienarmos o espaço. A crise não nos permitiria vender pelo valor que consideramos justo, mas tudo está a ser preparado.”, garante.



"Polis “isola” casa junto ao Estádio Municipal"

Novembro de 2008, todas as casas nas traseiras do Estádio Municipal da Marinha Grande, onde estão a ser realizadas as obras da última fase do programa Polis, foram demolidas. Todas! Não! À semelhança da aldeia gaulesa de Asterix, uma ainda resiste aos invasores – neste caso as máquinas da empresa que ganhou o concurso público.
A história explica-se rapidamente. A Câmara tinha de avançar com a intervenção na zona para não perder a comparticipação estatal. A família que reside na vivenda sempre se mostrou relutante em sair do local, embora os terrenos sejam propriedade da autarquia.
Segundo o REGIÃO DE LEIRIA apurou, foram várias as providências cautelares que deram entrada no Tribunal Administrativo de Leiria para impedir o início da obra. Mas a Câmara acabou por sair vitoriosa do processo e foi determinado que a família teria de abandonar o local até 12 de Janeiro próxima. Uma data pouco adequada à necessidade da autarquia iniciar as obras ainda em 2008. Solução: avançar, vedar o local da empreitada e isolar a casa com uma vedação.
“Não tínhamos uma outra hipótese. Tentamos de tudo, mas mostraram-se sempre inflexíveis, apesar de lhes termos entregue uma casa no bairro do Camarnal”, esclarece o vereador das Obras Públicas, Artur Pereira.
O REGIÃO DE LEIRIA tentou falar elementos da família em causa, mas tal não foi possível nas duas vezes que nos deslocámos ao local.


(surripiado do Região de Leiria)

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Revista de Imprensa

"Transportes urbanos a funcionar a partir de Junho"

A rede de Transportes Urbanos da Marinha Grande (TUMG) vai ser uma realidade dentro de seis meses. O assunto já foi discutido em reunião de Assembleia Municipal e a promessa foi deixada pelo Executivo.
Paralelamente, a TUMG vai também assumir a exploração do estacionamento pago no centro tradicional da Marinha Grande. A rede de transportes deve estar a funcionar até Junho, poucos meses antes das eleições. O número de circuitos ainda não está definido.
O estudo de mobilidade encomendado pela autarquia indica quatro circuitos, mas numa primeira fase apenas dois percursos devem ser postos em prática. No entanto, a câmara ainda pretende corrigir alguns aspectos com a empresa que elaborou estudo.


(surripiado do Jornal de Leiria)

Presentes de Natal II



Ora deixa cá ver o que é que o Pai Natal deixou para o Sr. Director. Não é esta... esta também não... ora cá está. Como o Sr. Director parece que está com dificuldades em comunicar com alguns clientes, com votos de boas festas (e de boas notas) aqui vai novinho em folha um fraque para ajudar nas cobranças difíceis. Pode ser que a lista diminua e sempre ficava com mais espaço para continuar a lista de potenciais candidatos xuxas às próximas autárquicas. É que se continua a lançar nomes a este ritmo, lá para Fevereiro ou Março do ano que vem a lista já é maior que a dos “clientes difíceis de contactar”. Um Natal muito feliz e escusa de agradecer.


quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Presentes de Natal I


O Largo das Calhandreiras começa hoje a sua distribuição de prendas de Natal e nada melhor do que começar pelos que mais admiramos. Para os independentes Pereira e Pereirita, os mais influentes vereadores deste executivo e garantes da estabilidade do mesmo, aqui vão fresquinhas, as teses do XVIII Congresso para que de uma vez por todas estes dois camaradas entrem no espírito do partido. Boas Festas e escusam de agradecer.


(à atenção dos Pereiras - cliquem aqui para levantarem o presente)

.

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

COMUNICADO


Como é do conhecimento público o BLC atravessa graves dificuldades financeiras resultantes, sobretudo, da crise financeira internacional e de outras aventuras que não são agora para aqui chamadas e sobre as quais nem tão pouco interessa falar.
Face às dificuldades sentidas e cujas consequências nos impedem por agora, entre outras, de entrar no Casino da Figueira e de ir jantar com o pessoal do jogo da bolha, solicitámos ao Governo uma garantia bancária de 158.245.326 mil milhões de euritos, para salvar a instituição, bem como duzentas garrafas de Moet & Chandon e dezoito leitões para o revelhõn. (Nota: esta tarde o leitão estava a cotar no mercado de Londres acima dos trinta dólares por cabeça!)
Face à recusa do Banco de Portugal em recomendar o nosso pedido e enquanto aguardamos que o governo mude de ideias (o que é o mais natural quando vir a lista de accionista do nosso banco) ou que o sobrinho do Isaltino venha cá passar o Natal e nos traga uma mala de notas que alojámos temporariamente num “hotel” suiço, comunica-se que o BLC poderá ter de encerrar as portas com todas as consequências gravosas daí decorrentes, nomeadamente, as relativas ao financiamento da campanha autárquica do nosso candidato e ao pagamento do salário da senhora da limpeza.

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Ração de Combate

Revista de Imprensa

"Câmara atribui subsídio para iluminação de Natal"

A Câmara Municipal da Marinha Grande atribuiu um subsídio no valor de 45 mil euros, à Associação Comercial e Industrial da Marinha Grande (ACIMG), para comparticipação da iluminação e animação de Natal. A deliberação foi tomada por maioria, na reunião do dia 13 de Novembro. À semelhança do que tem acontecido em anos anteriores, a ACIMG pretende promover a tradicional iluminação de algumas ruas, rotundas e largos das freguesias da Marinha Grande, de Vieira de Leiria e da Moita a partir do presente mês, nomeadamente aquelas onde a predominância do comércio tradicional é mais significativa. Segundo fonte da ACIMG, a iluminação deverá estar totalmente ligada no dia 12 de Dezembro.

O apoio financeiro é de 40 mil euros para comparticipação nas despesas inerentes à realização da Iluminação de Natal 2008 e de cinco mil euros para comparticipação nas despesas inerentes à realização das actividades de animação de Natal.

De acordo com a deliberação camarária, a ACIMG irá ainda promover algumas actividades de animação de Natal, nomeadamente a circulação de uma locomotiva animada pelas ruas da cidade da Marinha Grande, bem como a animação com Pais Natal, distribuição de doces e balões, concurso de montras e realização de sorteios.

O subsídio foi atribuído considerando que as actividades em causa visam dinamizar o comércio tradicional que, há muito, está a viver uma crise económica, procurando motivar a comunidade a fazer as suas compras nos estabelecimentos comerciais do concelho, potenciando o comércio local, cuja actividade é muito importante a nível da economia local, e da qual dependem um elevado número de postos de trabalho.

Por outro lado, a iluminação e a animação de Natal enquadram-se numa estratégia mais alargada com vista à manutenção e desenvolvimento do comércio tradicional e local, indispensável à dinamização económica local.


(surripiado do Tinta Fresca)


terça-feira, 2 de dezembro de 2008

SAUDAÇÃO



Reunidos de emergência aos trinta dias do mês de Novembro de 2008, os moradores do Largo das Calhandreiras decidiram (de braço no ar) por unanimidade e aclamação aprovar a seguinte moção:

O Largo das Calhandreiras saúda o XVIII Congresso e de forma particular o camarada Filipe Andrade, um jovem “intelectual” de apenas 27 anos que tem estagiado com grande sucesso no nosso concelho e que vê recompensado o esforço da sua luta e do seu empenho político ao ser eleito para o comité central. Parabéns camarada!

Convidam-se todos os calhandreiros que não estiveram presentes na reunião secreta em que esta moção foi aprovada, o favor de a subscreverem (com ou sem declaração de voto) na caixinha dos bitaites. A LUTA CONTINUA!

.

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

E A RESPOSTA É...

Sim senhor, isto há coisas do arco da velha! Pois caros camaradas, aqui à atrasado fiz três perguntitas ao Dr. J. Pedrosa (o dos cheques-filho, não confundir com o Pereirita). A resposta à primeira e à terceira, foi de rajada. Já a segunda precisou dum tempito de reflexão e demorou mais dum ano a responder. E ainda por cima a coisa foi feita como deve ser, ou como diz o povo (e o saudoso Pimenta Machado): “Nunca digas nunca!” que é como quem diz, "O que hoje é verdade amanhã é mentira!". Ele há políticos avisados, sim senhor. Olha, pelo menos não foi como o outro que tinha dito que só se Cristo descesse à terra e vai-se a ver o Cristo já vem no elevador…


DL - Está disponível para encabeçar uma candidatura a alguma autarquia, designadamente à da Marinha Grande?
JPP - Neste momento a resposta é não. Até ao final do ano teremos definida a escolha de todos os candidatos. É sempre difícil estar a antecipar cenários, quando o processo ainda não está concluído. Neste momento, o meu objectivo é não ser candidato à Câmara Municipal da Marinha Grande. Nestas matérias, as ponderações, as análises e as discussões vão ser muitas e diversificadas, por isso não tenho a certeza daquilo que poderá vir a ser decidido pelos órgãos do partido. A minha firme convicção é não ser candidato.


É portantos um... “NIM!

Ração de Combate


quinta-feira, 27 de novembro de 2008

parece que havia queixas de tendinites...


sem bem que a malta prefira saber quem vota em quem, é mais democrático e mais... transparente;

"A eleição do Comité Central, por disposição antidemocrática da lei dos partidos, contrária ao direito e à possibilidade que os delegados ao congresso sempre tiveram de decidir democraticamente sobre o método de votação que entendem mais adequado, é feita por voto secreto"

terça-feira, 25 de novembro de 2008

"O que é a Agenda 21 Local?"



No passado dia 14, a CMMG apresentou em sessão pública a Agenda 21 Local, um Programa de Gestão do Desenvolvimento Sustentável traduzido num “conjunto de documentos que incluem um plano de acção que tem implicações a todos os níveis da vida comunitária, nas áreas económica, desportiva, cultural, educativa, social, com enfoque muito especial nas questões ambientais”, conforme referiu na altura Alberto Cascalho.
Neste nosso comentário à apresentação da Agenda 21 Local não se pretendem discutir os méritos ou a oportunidade do estudo, o qual compreende um diagnóstico do concelho, relatório de enquadramento, estratégia de informação e comunicação, e “planos de acção nas áreas de gestão ambiental sustentável, apoio à sustentação da inovação empresarial e intervenção na coesão social”. O que se pretende apenas é chamar à atenção para a forma de comunicação utilizada uma vez que na apresentação que é feita deste trabalho, ao qual foi dado eco quer pela comunicação social da região quer pelo próprio site da CMMG, nunca é feita a sua contextualização genérica, ou seja, nunca é dito que esta é a adesão do nosso município a uma iniciativa enquadrada pelas Nações Unidas e já adoptada por mais de dois mil municípios de todo o mundo, entre os quais alguns portugueses. Ao contrário, a forma utilizada mais parece pretender indicar que se trata de uma iniciativa isolada desta autarquia, fruto do seu mérito e da sua clareza de ideias quanto ao nosso futuro.
Embora a nossa convicção seja a de que se tratou apenas de um lapso de comunicação, fica no entanto o reparo, uma vez que o enquadramento genérico deste trabalho e a percepção da sua envolvente até poderiam traduzir-se numa maior adesão por partes de todas as forças vivas do concelho, ao seu desenvolvimento e implementação.
Para os que pretenderem mais informação sobre o tema, fica também o link para o Portal da Agenda 21 Local, concebido e implementado pelo Grupo de Estudos Ambientais da Escola Superior de Biotecnologia da Universidade Católica Portuguesa.

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

A Hora do Pateta


Outro tema quente da última emissão do Forum 94 foi a entrega do cartão de militante de PSD de Artur Pereira de Oliveira, vereador da Câmara da Marinha Grande. Face às acusações por parte da concelhia de que sempre esteve ao lado da CDU, Pereira de Oliveira defendeu-se. “Os eleitos não podem estar no executivo a boicotarem-se uns aos outros. Eu não boicoto ninguém. Sou uma pessoa séria, responsável. Ao boicotar as boas ideias, venham elas de onde vierem, estaria a boicotar os interesses dos munícipes.”
Pereira de Oliveira recusou, contudo, o cenário de se vir a candidatar como independente por qualquer partido. “Sou social-democrata e continuarei a sê-lo mesmo sem ser militante. Estarei sempre ao lado do PSD, não estou ao lado de pessoas que, se calhar, estão na política e em comissões políticas ao serviço de outros interesses.”


Fonte: Jornal de Leiria

ao indivíduo foi aplicado termo de identidade e residência e a droga ficou em prisão preventiva


quinta-feira, 20 de novembro de 2008

"YES, WE DO (NOT)!"

“Numa coisa todos estamos de acordo, o principal problema dos políticos portugueses não é a sua incapacidade mas apenas um problema de comunicação, nunca conseguem fazer passar a mensagem”.

Esta frase da autoria do inquestionável comentador político J. P. Pinóquio no seu blogue “À Bruto”, foi esta semana desmontada de forma superior pelo “nosso” Presidente Guerrilha, que veio num dos seus escritos no Jornal do Tózé, demonstrar como 1+1=11. Mas para que não restem dúvidas sobre o que se obrou só no último ano (!), aqui fica de forma clara e sem espinhas parte do vasto rol do executivo ora PCP/PSD ora PCP/AA:

“ESCOLA com cantina nas Trutas; Mercado da Vieira de Leiria; Casa-Museu 18 de Janeiro; Galeria Municipal; requalificação de escolas; passadeiras sobrelevadas, requalificação do espaço público (passeios, remoção de barreiras arquitectónicas, sinalética para invisuais); diversos arruamentos de que sobressai a Rua da Fonte dos Ingleses – Várzea, Rua dos Lenhadores – Forno da Telha, Rua Jornal da Marinha Grande – Embra e Rua 4 – Figueiras; Novo depósito de água – Vieira de Leiria; Obras em diversos edifícios de habitação social; Colocação e reforço da iluminação pública em diversos lugares; Iluminação e balneários dos campos de ténis da Marinha Grande; Rede de saneamento básico, especialmente na Moita; Colectores domésticos no Camarnal; Novos sanitários públicos na Praia da Vieira – Norte, etc.
RECORDEM-SE também alguns dos eventos socialmente mais importantes, que a autarquia levou a efeito: Comemorações do 18 de Janeiro de 1934; Desfile de Carnaval (17 escolas e cerca de 1.000 crianças); 1º Encontro de Escritores locais; Comemorações do 25 de Abril que envolveram diversas associações e colectividades; Semana do Ambiente com participação de várias entidades locais e regionais e alguns milhares de alunos; Jornadas de Economia da Marinha Grande, com ampla participação; Abertura da época balnear na Praia da Vieira (milhares de visitantes); 1º Overlive que, além de diversas actividades, reuniu 5 bandas locais; Actividades da Galeria Municipal (8 exposições e 4.200 visitantes em 6 meses); Actividades culturais e desportivas incluídas na animação cultural de Verão; 7ª edição da Bienal da Marinha Grande que registou mais de 110.000 visitantes e homenageou o artista e marinhense Guilherme Correia.
A Câmara apoiou ainda e/ou participou, na organização de eventos de grande prestígio para o Concelho, de que se destacam: Piquenicão Nacional que trouxe à Marinha Grande mais de 3.000 reformados de todo o país; Campeonato do Mundo de Orientação que reuniu mais de 4.000 atletas e visitantes de todos os continentes, e deu a conhecer ao mundo o nosso concelho, as nossas praias, a nossa mata e as nossas gentes; “Verão Total” da RTP, com emissão em directo de S. Pedro de Moel, que contribuiu para divulgar a imagem da Marinha Grande como concelho dinâmico, atractivo e inovador.”
(…)
Por isso, a Câmara bem se pode orgulhar do que tem feito, e bem pode responder aos seus detractores, com o slogan «Sim, nós fazemos!».”


E agora que estamos de barriguinha cheia vai tudo para o óó, que só é preciso acordar lá para meados de Outubro do próximo ano, para votar de novo no PCP. E é se queremos mais quatro aninhos de fartura e de muita prosperidade. Se por mero acaso lá pelo meio fizerem alguma porcariazita também não há problema pois a nova ETAR do Norte está a trabalhar muito aquém da sua capacidade. Por isso, os nossos votos para que continuem a obrar muito. Boa continuação!

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

"ETAR Norte funciona a metade da sua capacidade"


A Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR Norte) do Coimbrão é hoje inaugurada oficialmente pelo ministro do Ambiente e marca um dos episódios mais importantes do processo de despoluição da região.
Cerca de um ano depois da sua entrada em funcionamento, a 'jóia da coroa' da Simlis, empresa responsável pelo Sistema Multimunicipal de Saneamento do Lis, encontra-se a funcionar a metade da sua capacidade, já que o saneamento básico de Leiria, Batalha, Marinha Grande e Porto de Mós - concelhos que a estação vai abranger - ainda tem um longo caminho a percorrer, aguardando ainda os efluentes das suiniculturas, provenientes da futura Estação de Tratamento de Efluentes Suinícolas, que irá nascer em Amor.
A maior ETAR da região Centro - que apresentou um investimento de 15,6 milhões de euros, financiados em 80 por cento pelo Fundo de Coesão da União Europeia - foi dimensionada para receber cerca de 250 mil habitantes equivalentes, o que significa que pode tratar diariamente cerca de 38 mil metros cúbicos de águas residuais, dos quais 77 por cento são domésticos e 18 por cento provenientes de indústrias, e o restante de suiniculturas.
No entanto, a ETAR só deverá atingir a capacidade para que foi dimensionada dentro de quatro anos, caso o saneamento básico de todos os concelhos esteja totalmente concluído em 2013, data apontada por todas as autarquias, tendo em conta que nesse ano termina o Quadro de Referência Estratégico Nacional.
Neste momento, segundo apurou o nosso jornal, a percentagem de cobertura do saneamento básico no concelho de Leiria é de 80 por cento. Segundo a autarquia, os lugares com ausência de saneamento correspondem a zonas com baixa densidade populacional. Por outro lado, faz saber numa nota informativa, a execução dos trabalhos nas freguesias a Norte do concelho "não poderiam avançar antes da entrada em funcionamento da ETAR Norte". "Com esta em funcionamento, avança agora a concretização das referidas redes", sublinha.
Com menos de 50 por cento de cobertura de saneamento básico, encontra-se o concelho de Porto de Mós, ao passo que, na freguesia da Marinha Grande, os trabalhos abrangem 95 por cento de cobertura e, nas freguesias de Moita e Vieira de Leiria (Marinha Grande) 85 por cento.
O nosso jornal tentou apurar qual a percentagem de cobertura de saneamento da Batalha, mas não foi possível apurar o valor até à hora de fecho desta edição.
A infra-estrutura irá igualmente aguardar que a Estação de Tratamento dos Efluentes Suinícolas fique concluída, situação que deverá levar, pelo menos, mais dois anos.
A cerimónia de inauguração terá lugar pelas 10h00. Além da presença do ministro do Ambiente, Francisco Nunes Correia, irá ainda contar com a presença do secretário de Estado do Ambiente, Humberto Rosa.
A inauguração será antecedida pela apresentação do 'Guia para a Avaliação de Impacte Ambiental de Estações de Tratamento de Águas Residuais', elaborado pela Agência Portuguesa do Ambiente.

Rio Lis com "alteração qualitativa"

A ETAR Norte representa para o presidente do Conselho de Administração da Simlis, Sérgio Lopes, a "peça basilar" de todo o sistema de despoluição, alertando, porém, para o trabalho das populações e empresas.
"Há que reconhecer que a ETAR não pode ser a única a despoluir os rios. A despoluição passa, também, por outros instrumentos e pelas pessoas e empresas terem consciência que os rios só se despoluem se estiverem ligados ao sistema", disse. É nesta perspectiva que Sérgio Lopes sublinha a "alteração qualitativa" do rio Lis, fruto do sistema multimunicipal de saneamento.


(surripiado do Diário de Leiria)

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Revista de Imprensa

Artur Oliveira mantém pelouros no Executivo

Carta Educativa aprovada em reunião da Câmara da Marinha Grande


Executivo da Marinha Grande
A aprovação da Carta Educativa do concelho da Marinha Grande e a manutenção dos pelouros por parte do vereador Artur Oliveira, que irá agora terminar o mandato como vereador independente, após a entrega do seu cartão de militante do PSD, foram os principais assuntos da reunião de câmara do Município da Marinha Grande, no dia 13 de Novembro.

Estiveram presentes, na reunião que decorreu no Salão Nobre dos Paços do concelho da Marinha Grande, o presidente Alberto Cascalho e os vereadores Sérgio Moiteiro, João Marques Pedrosa, Artur Oliveira, João Paulo Pedrosa, José Grácio e Cidália Ferreira.

O vereador eleito pelo PSD na Câmara Municipal da Marinha Grande, Artur Pereira, entregou o cartão de militante na passada semana, e devolveu ao presidente da autarquia os pelouros que tinha, justificando a decisão com o facto de a Comissão Política Concelhia do PSD lhe ter “retirado a confiança política há alguns meses.” Contudo, Artur Pereira continuará como vereador porque Alberto Cascalho, presidente do município, decidiu não lhe retirar os pelouros por lhe merecer confiança e não existirem “razões para lhe retirar os pelouros.”

Artur Oliveira deixou assim de ser vereador eleito pelo PSD, passando a vereador independente, e continuará com os pelouros das Obras Públicas; Comunicações e Transportes; Abastecimento Público; Ambiente; Saneamento Básico e Abastecimento de Água.

A manutenção de Artur Oliveira como vereador com pelouros foi alvo de algumas críticas dos vereadores socialistas, considerando que esta situação só vem determinar a fragilidade de um Executivo” que “garante a maioria com um vereador que já não representa um partido”. João Paulo Pedrosa referiu inclusive que a decisão de Artur Oliveira manter os pelouros “deveria ser tomada em reunião de Câmara” e “não resolvida entre duas pessoas.”

O vereador do PS considera também que a passagem de Artur Oliveira para vereador em regime de independência tem “consequências do ponto de vista da fragilidade do Executivo”, uma vez que “o presidente eleito não está em funções” e agora “o vereador que sustenta a maioria já não representa um partido”. João Paulo Pedrosa lembrou também que o prazo de suspensão de mandato de João Barros Duarte termina no dia 14 de Novembro e que o Executivo ainda não recebeu nenhum comunicado sobre essa situação.

Alberto Cascalho referiu por sua vez não ser essa a sua leitura dos acontecimentos e que mais uma vez agiu de acordo com a sua consciência. O autarca informou ainda que após consultar os serviços jurídicos do município, estes o informaram que a decisão de manter os pelouros na posse de Artur Oliveira era uma competência exclusiva do presidente da Câmara.

O Executivo camarário aprovou por maioria, com os votos a favor de Alberto Cascalho, Sérgio Moiteiro, João Marques Pedrosa e Artur Oliveira, e as abstenções dos vereadores socialistas João Paulo Pedrosa, Cidália Ferreira e José Grácio a reapreciação da alteração à Carta Educativa do Concelho da Marinha Grande, que já tinha sido aprovada por unanimidade pelo Conselho Municipal de Educação no dia 7 de Novembro. A Carta Educativa irá ser discutida em Assembleia Municipal extraordinária de dia 20 de Novembro.

A Câmara Municipal considerou a Carta Educativa como uma mais valia, enquanto instrumento de planeamento e ordenamento prospectivo de edifícios e equipamentos educativos a localizar no concelho, e de acordo com as ofertas de educação e formação que se impõem satisfazer, tendo em vista a melhor utilização dos recursos educativos e financeiros, no quadro do desenvolvimento demográfico e socio-económico do município.

João Paulo Pedrosa referiu que “esta é uma matéria que devia evitar questões de briga política e aspectos partidários”, lamentando que a maioria camarária “não tenha promovido nenhuma reunião com os vereadores para discussão.” O vereador do PS adiantou que o partido tem “dúvidas que tenha sido procurada a melhor hipótese e que tenham sido esgotadas todas as possibilidades na procura da melhor solução”, concluindo mesmo que “esta é uma má solução.” João Paulo Pedrosa referiu ainda que “a Assembleia Municipal reprovou a carta educativa porque pretendia outra e não a mesma” e alertou que “as nossas crianças ficam sem condições e em desigualdade com as crianças dos concelhos vizinhos.”

Por sua vez, Alberto Cascalho saudou a alteração de voto do PS, que passou de voto contra para abstenção, e interpretou-o como “um sinal positivo no sentido de encontrar o necessário consenso em matéria de tão grande interesse e responsabilidade.” O presidente da Câmara respondeu adiantando que procurou esgotar todas as possibilidades e acolher diversas sugestões para a resolução do problema, considerando também que “foi dado um passo decisivo para, caso a Assembleia Municipal venha a aprovar, o município dispor das condições necessárias no âmbito do QREN encontrarmos financiamentos indispensáveis à execução desta obra e à requalificação de todo o nosso parque escolar até ao 1º ciclo”.


(surripiado do Tinta Fresca)



Nota: o site da CMMG continua a disponibilizar as actas das reuniões de câmaras com vários meses de atraso. Não se percebe o motivo.

sábado, 15 de novembro de 2008

O ERRO DO CRIADOR


E ao sexto dia Deus criou o homem...
Mas mal o Criador se aprestava para voltar aos céus e aliviar fadiga de tão intensa jornada, sentindo passos atrás de si, virou-se. A correr em sua direcção vinha um desassisado camarista de farta cabeleira branca, acenando freneticamente com algo na mão direita, enquanto a esquerda se enterrava no bolso, como que impedindo que algo se escapasse. “Olhe, se faz favor. Queria entregar o cartão do partido. É que os juvenis já não me dão crédito e tomaram-me por aziago.” E logo Deus se amargou de arrependimento por ter concluído a criação.
Porém, para assombro do próprio Criador, um anjo êufono e titubeante que vagueava por perto sem GPS, tomou-lhe a mão e proclamou em tom grave: “Segue-me camarada, que enquanto a luta de classes precisar de ti, serás um dos nossos. Busquemos o norte magnético!”. Perturbado, o Criador rompeu num pranto inconsolável.

Depois de um Outubro generoso, solarengo, com o astro rei a bailar por entre os ramos semi nus das árvores de folha caduca, entraram pelas frinchas da janela esconsa da minha sala-de-estar os primeiros arrepios de frio, um gélido calafate soprado do grande glaciar em degelo, fazendo recordar aos homens que a natureza acusa sinais evidentes de cansaço, de maus tratos e de sobre-saturação. Pela primeira vez este ano, aconchego três cavacas de sobreiro do Redondo na lareira ainda fria do verão, e acendo o lume com caruma, pinhocas e pequenos gravetos de pinheiro, apanhados na recta de Pedreanes numa tarde de sábado por finais de Setembro. Este é um luxo a que me permito, não tanto por vaidade mas mais por necessidade - sentar-me em frente ao lume num final de tarde a que a mudança da hora já acrescentou noite, lâmpadas de baixo consumo apagadas, um cálice de licor de leite degustado em pequenos sorvos, apenas iluminado pelo lume que baila em labaredas de azul-laranja, exalando resina, labendo as paredes escuras da chaminé - o ambiente que se impõe para um momento de introspecção. Talvez seja isso que falta a muito bom comuneiro cá da paróquia, parar para pensar! Reflectir!
Os acontecimentos patéticos sucedem-se e asseveram a crise de valor acrescentado que mina a nossa desventurada corte de homens d’ estado, o barriguismo prospera, a política decente, tão imprescindível como o cereal para o pão da boca, está mais do que nunca em roda livre, a preciosa alteridade esfuma-se numa prática de tiques comuns de la droite à la gauche, pois o denominador é o comum, insensatez e muito, mas mesmo muito, despudor!
Talvez por isso um duche frio e uma valente coça de bagaço de medronho pudessem pôr cobro às mais que evidentes e previsíveis estratégias já no terreno, gizadas em bolorentas reuniões de comparsas – gestão de silêncios à la carte, rajadas de metralha ao neo-liberalismo que engorda a própria continha, limpeza a seco das consciências e das responsabilidades, fazer crer que a preocupação maior somos nós, e tudo isto revelado apenas num facto, a tremenda incompetência para escolher os melhores. E será que estão disponíveis?
Mas a culpa de toda esta tragédia é sem dúvida da democracia, essa patomina das sociedades civilizadinhas que atribui um cheque-voto-surpresa a cada imberbe eleitor. A culpa é da porra do sofá que amolece o nervo da inquietação. A culpa é da merda da televisão que nos emprenha com novelas. A culpa é dos gajos que lá estiveram. A culpa é dos cicranos que lá estão. A culpa é da testosterona e da bola e do filho da puta do árbitro. A culpa é sempre dos outros. A culpa nunca é minha, tua, ou de outro cabrão qualquer! Neste país pequenino, nunca ninguém é culpado, e porquê? Porque os culpados são sempre uma desculpa para a nossa própria culpa. Fiz-me entender?
Pois que, para terminar, permito-me (permitam-me!), a contra-gosto, um inusitado pedido de desculpas pela severidade deste arrazoado, ela é apenas a expressão da desilusão que sinto ao olhar o lume que baila nesta modesta lareira do Casal da Formiga, mas que não liberta o calor que tanto desejo. Isto, confesso, para além do facto de hoje ter olvidado tomar o comprimido para os nervos. Coisas da andropausa. Mas, para além dessa milagrosa pílula que me põe os ditos nervos sossegados, como poderei eu ultrapassar esta incontida descrença? Poderá ainda restar a fé, dir-me-ão vossas senhorias. Mas, returco eu, como poderei confiar em quem cometeu tamanho disparate ao sexto dia?

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

jpp promove medida discriminatória para os homossexuais passivos do distrito...

Revista de Imprensa (actualizada)

"Marinha Grande - Artur Pereira de Oliveira entrega cartão de militante do PSD"

O vereador Artur Pereira de Oliveira entregou na segunda-feira o cartão de militante do PSD, gesto que justificou com “falta de democraticidade” dentro do partido, que ajudou a fundar na Marinha Grande. Na terça-feira “devolveu” os pelouros ao presidente da autarquia, mas acabou por reconsiderar a sua posição depois de Alberto Cascalho lhe ter expressado a sua confiança. Desempenha agora essas funções como independente.


Artur Pereira de Oliveira esclarece que não sai por razões ideológicas, mas por não concordar com as atitudes da Comissão Política Concelhia e da Comissão Política Distrital do PSD.
São várias as queixas apresentadas em relação à Comissão Política Concelhia. A começar por ter sabido, há cerca de seis meses, que lhe tinham retirado a confiança política pela comunicação social, passando por “acusações difamatórias nos jornais” e, mais recentemente, por não o terem convidado para a apresentação dos candidatos da Marinha Grande às autárquicas.
“É dentro do partido que as coisas se devem resolver. As coisas foram-se tornando cada vez mais graves, inclusivamente com insultos na Assembleia Municipal por elementos do PSD, que demonstraram um total desconhecimento das matérias de que me acusaram”, explica Artur Pereira de Oliveira, em alusão a dossiers como a Simlis, TUMG, saneamento básico e mercado municipal.

Mal-entendidos
Em relação à Comissão Política Distrital, o vereador do PSD lamenta que nunca tenha promovido uma reunião consigo e com a concelhia para esclarecer o que considera serem “mal-entendidos”. “A distrital é responsável por não ter tomado decisões atempadamente para evitar estas questões desagradáveis.”
Apesar de considerar que os políticos não se reformam, Pereira de Oliveira afasta uma eventual candidatura à autarquia como independente. “Com 75 anos ainda me sentia com coragem para mais.” Contudo, revela que está empenhado em contribuir para a resolução dos “graves problemas económicos e sociais” no concelho, enquanto munícipe. “A social-
-democracia é isso mesmo, e não estar à procura de tacho.”
Apesar de não ter esclarecido se irá votar no PSD nas autárquicas, Pereira de Oliveira afirmou ter “simpatia” pelo cabeça de lista, António Santos, por ser uma “pessoa capaz e com valor”. Em relação aos resultados eleitorais, desejou que “ganhe o melhor para o bem da Marinha Grande”. n
Alexandra Barata


Concelhia reage com indiferença
“Não atribuímos muita importância a esse episódio, porque já nos tínhamos demarcado da sua postura enquanto vereador do PSD. Estava demasiado colado à CDU, independentemente das nossas posições. ”É desta forma que Manuel Teles, presidente da Comissão Política Concelhia do PSD da Marinha Grande, reage ao afastamento de Pereira de Oliveira. Teles deixa claro que a sua desvinculação foi uma decisão pessoal, para o qual não foi forçado. n




(surripiado do Jornal de Leiria)

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

POR FAVOR EXPLIQUEM-ME, MAS COMO SE EU FOSSE MUITO BURRO

Para a CDU JBD deveria demitir-se pois já não tinha a confiança politica do partido e os cargos para os quais os políticos são eleitos devem sempre ser geridos e manifestar os desígnios de um colectivo (leia-se o partido) que os elegeu.

AA já não tem a confiança política do PSD, o Senhor Presidente da Câmara manifestou-lhe total confiança e não lhe retirou os pelouros.
.

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Revista de Imprensa (quentinha)

Câmara municipal

"Vereador do PSD da Marinha grande entrega cartão de militante e devolve pelouros"

O vereador eleito pelo PSD na Câmara Municipal da Marinha Grande, Artur Pereira, entregou o cartão de militante e devolveu hoje ao presidente da autarquia os pelouros que detinha, confirmou o próprio à agência Lusa


«Entreguei o cartão de militante do PSD à Assembleia Distrital do partido e devolvi os pelouros que me estavam atribuídos ao presidente da Câmara», afirmou Artur Pereira, justificando a decisão com o facto de a Comissão Política Concelhia do PSD lhe ter «retirado a confiança política há alguns meses».

Segundo o vereador, agora independente, a retirada da confiança política «nunca foi justificada» por parte dos órgãos concelhios do partido.

«Aguardei o tempo mais do que suficiente para ser informado dos motivos da decisão, o que não aconteceu», explicou Artur Pereira, sublinhando «não estar chateado com o partido», mas também «não poder continuar assim».

O autarca, que exerce as funções de vereador a tempo inteiro, informou ainda ter comunicado a iniciativa ao presidente da Câmara, Alberto Cascalho, eleito pela CDU, a quem devolveu os pelouros.

«O senhor presidente manifestou-me total confiança e disse que não me iria tirar os pelouros», referiu Artur Pereira, militante do PSD desde a sua fundação e que esteve na génese do partido na Marinha Grande.

Confrontado com a entrega do cartão de militante por parte do vereador, o presidente da Comissão Política Concelhia (CPC) da Marinha Grande, Manuel Teles, esclareceu que «nunca o partido lhe retirou a confiança política».

O dirigente reconheceu, contudo, ter havido «uma difícil articulação entre o vereador e a CPC», sobretudo ao nível das deliberações que Artur Pereira tomava na Câmara e que não eram coincidentes com as que tomavam os eleitos na Assembleia Municipal.

«[As decisões] não se aproximavam», referiu Manuel Teles, acusando o autarca de «não seguir a linha do partido».

«Por isso, ao delinearmos a estratégia para as próximas eleições autárquicas, entendemos que não se integrava na nova equipa de candidatos», adiantou o presidente da CPC, admitindo ser esta uma decisão de «ruptura».

Lusa/SOL


(surripiado do SOL)

CENAS DO PRÓXIMO EPISÓDIO

“Como já estávamos fartinhos de enfardar salsichas e de andar dum lado para o outro a olhar embasbacados para um muro todo escavacado, mais parecia que estávamos na Rua da Indústria, o compadre Abano teve uma ideia: Ó pessoal e se fizessemos um intervalo cultural e fossemos à bola? Boa, dissemos todos. E lá fomos nós à bola de Berlim, enfardar antes do jogo. Só ficámos admirados porque ainda não foi desta que vimos a ASAE. Paciência. A pastelaria era jeitosa e asseadinha, ainda cheirava a Sonasol com amoniacal. Também ainda não foi desta que sentimos o cheiro da cidade maldita. Parece que fizeram uma ETAR nova e os problemas com os cheiros estão resolvidos, por agora. Esperem só até os tugas começarem a libertar a salsichada e as bojecas, que vão como é que é. SLB, SLB, SLB, SLB, SLB, GLORIOSO SLB, GLORIOSO SLB.”

Classificados

Numa altura em que se começam a perfilar as barbas brancas do costume, aqui fica uma alternativa bem interessante. A causa, é uma boa causa e até parece que não se ganha nada mal. Pode ser que pegue...

sábado, 8 de novembro de 2008

Então como é que vai essa "saúde"?

(Acta nº 25 - Reunião Ordinária da Câmara Municipal da Marinha Grande realizada no dia 15.11.2007 2007 e no dia 16.11.2007)

(…)

1 - PEDIDO DE SUSPENSÃO DE MANDATO DO SR. PRESIDENTE DA CÂMARA


1547 - Presente pedido de suspensão de mandato datado de 07/11/2007, apresentado pelo Presidente da Câmara, Sr. João Barros Duarte, pelo período de 365 dias, por motivo de doença devidamente comprovada por atestado médico apresentado e arquivado na Secção de Recursos Humanos desta Câmara Municipal.

A Câmara apreciou o pedido, e tendo em conta que o motivo apresentado se enquadra no previsto no art.º 77º, n.º 3, alínea a) da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, alterada e republicada em anexo à Lei n.º 5-A/2002, de 11 de Janeiro, delibera aceitar a suspensão do mandato do Presidente da Câmara, Sr. João Barros Duarte, pelo período de 365 dias. Esta deliberação foi tomada por maioria, com 3 votos a favor e 3 abstenções dos Srs.
Vereadores do P.S..


Será que após 365 dias o Sr. João Barros Duarte já resolveu os problemas de saúde? Os munícipes gostariam de ter uma atenção por parte de quem os representa, mais não seja, por uma questão de educação. Ou será que só servimos para votar?

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Passatempo das Calhandreiras


Ora aqui vai mais uma e desta vez para uma embalagem de dois quilitos de peixe espada preto para fritar. O peixe espada é de confiança e foi pescado nos mares da Madeira, com a devida autorização do Rei Alberto João I.

"Esta reunião, aparentemente pequena, deu para 2 sessões, devido à habitual troca de acusações entre PS e PCP que, devido à falta de capacidade para governar o Concelho e/ou apresentar propostas alternativas, se perdem em discussões que nada servem para o nosso desenvolvimento."
.
e ainda
.
"Esta posição deve-se à incapacidade que os sucessivos executivos camarários (PS e PCP) têm demonstrado na resolução deste problema e de outros idênticos, tais como a Angolana, a J. Ferreira Custódio, a Manuel Pereira Roldão, a J. Mortensen e outras unidades industriais que degradam a imagem da nossa cidade."

Como esta também não é fácil, vou dar uma dica extra, a frase não foi dita por ninguém da oposição e mais não digo.
Caso ninguém acerte, é o costume, reverte para o fundo de apoio ao alargamento da Zona Industrial.

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

PORQUE SERÁ?


Quinta-feira, Junho 02, 2005

Surpresa

"Na passada semana, na conferência de imprensa em que apresentei os nomes votados pela concelhia do PS da Marinha Grande para os diversos órgãos autárquicos do concelho, apresentei ainda a minha declaração de interesses, rendimentos e património, assumindo o compromisso de os tornar público anualmente e enquanto exercer semelhantes funções públicas. Dada a actualidade destas matérias, pensei que os jornais locais fizessem notícia disso. Ao contrário, não fizeram referencia nenhuma ao assunto e colocaram-me na primeira página com uma bandeira a festejar a vitória do Benfica. Vá lá entender-se a dinâmica dos conteúdos da comunicação social."

João Paulo Pedrosa


E agora? Será que a dinâmica dos conteúdos já é mais perceptível?

Revista de Imprensa

"PSD quer ganhar câmara com independente António Santos"

O PSD candidata um independente à presidência da câmara da Marinha Grande e apresenta como objectivo vencer as Eleições Autárquicas do próximo ano. Essa é a fasquia colocada tanto pelo candidato António Santos, de 53 anos, como pelo presidente da Comissão Política concelhia, Manuel Teles. O candidato foi apresentado na última sexta-feira, num jantar que reuniu mais de duas centenas de apoiantes, onde entre eles Luís Marques Guedes, secretário-geral do PSD.
"Estamos aqui para vencer estas eleições. Não vencer por vencer, por vaidade ou por interesse pessoal ou corporativo, mas vencer porque a Marinha Grande precisa da nossa vitória", disse o independente que encabeça a lista do PSD à autarquia da capital vidreira.
António Santos afirmou que a principal preocupação da sua candidatura "é pugnar pela melhoria, em todos os sentidos, da vida das pessoas. No emprego, no desenvolvimento económico, na educação de qualidade, nas obras de carácter social, no apoio aos mais carenciados, na cultura". O candidato, que é quadro superior da Direcção de Finanças de Leiria, disse querer "uma câmara aberta a toda a população", "desburocratizada e simplificada no relacionamento com o munícipe".
"Só vou dar importância a matérias e assuntos que estejam intrinsecamente relacionados com o progresso da Marinha Grande", acrescentou António Santos, traçando o perfil da sua campanha, apontando ainda 'baterias' ao Governo, considerando que "a Marinha Grande está no Centro do País mas não tem estado no centro das preocupações de quem a tem governado. A Marinha Grande tem todas as condições para estar no centro da inovação, da eficiência, da evolução, da justiça social", salientou.

Apresentados todos os 'cabeça de lista'

O secretário-geral do PSD elogiou o currículo e o percurso pessoal e profissional de António Santos, que considerou "notável e exemplar", considerando que o discurso do candidato se identifica com os valores sociais-democratas.
A lista à Câmara Municipal integra ainda Pedro Silva e Dina Gomes, enquanto Pedro André lidera a lista à Assembleia Municipal, secundado por Joaquim Martins e Daniela Teixeira. Nas listas às assembleias de freguesia, Rui Miranda encabeça a da Marinha Grande, Afonso Henriques a de Vieira de Leiria e Manuel Teles a da Moita.
A apresentação dos candidatos, em que estiveram alguns presidentes de câmara do PSD no distrito, também contou com a presença do candidato do partido a Leiria, José António Silva, e o presidente da Comissão Política Distrital, Fernando Marques, o qual garantiu o "apoio total" do órgão que lidera para a concretização do objectivo de ganhar na Marinha Grande, o "único concelho do distrito onde o PSD ainda não governou", salientou
.



(surripiado do
Diário de Leiria)

sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Imprensa Desportiva


Revista de Imprensa de 09-06-2005





«Autárquicas - PSD apresenta cabeças de lista e promete “começar por baixo”»

Saneamento prioritário

O candidato do PSD à Câmara Municipal da Marinha Grande, Artur Oliveira, apontou como principais prioridades o saneamento básico e a melhoria das ruas da cidade, na apresentação da candidatura do partido às eleições autárquicas de 2005, que decorreu na passada segunda-feira. Ideias que foram reforçadas por Pedro Silva, candidato à Assembleia Municipal, ao acrescentar que “não adianta ter jardins modernos, quando não há saneamento básico e quando existem ruas do terceiro mundo”.
Artur Oliveira acusou ainda a Câmara PS de ter destruído o Plano Director Municipal (PDM) e afirmou que é necessário um novo documento, “totalmente renovado”, pois este constitui “um instrumento indispensável de trabalho”.
“Começar por baixo” e “dar aos que nada têm” são os ideais para o candidato do PSD, que entende um possível triunfo como uma vitória da Marinha Grande e não como uma vitória pessoal. “Se não ganharmos é uma derrota dos munícipes e não da nossa equipa”, acrescentou o cabeça de lista.

(...)


(surripiado do Região de Leiria)

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Momento Zen da Semana




Embora retirada do seu contexto original, esta frase serve-nos para a construção metafórica “erguida” paredes meias entre os Paços do Concelho e o busto do nosso candidato. É bom recordar que a causa pública vai muito para além dos interesses particulares que povoam os dois lados da “barricada”. Os muros servem para dividir mas também servem para manter afastada a “má vizinhança”. Contudo, viveríamos muito mais felizes sem eles. Bastava para isso que todos respeitássemos as frágeis fronteiras da liberdade.

O Largo das Calhandreiras é talvez o local da cidade onde confluem mais ruas, para sermos mais precisos, seis entradas e saídas. É nossa obrigação mantê-las desimpedidas para que todos possam circular à vontade e em segurança.

sábado, 25 de outubro de 2008

Tarifa de Disponibilidade VII - As Certezas do Sr. Presidente

O assunto não está esquecido e até porque foi recentemente abordado pelo Sr. Presidente da CMMG, voltamos a insistir.

(extracto da entrevista do Sr. Presidente da CMMG ao JMG)

JMG – E a taxa de disponibilidade, não poderia poupar os marinhenses de pagar este imposto?
Dr. A. Cascalho – A taxa de disponibilidade tem sido discutida de forma bastante aprofundada, tanto na câmara como na própria assembleia, como certamente saberá. Nós tivemos a preocupação de auscultar todas as entidades que entendemos terem relevância nesta matéria, nomeadamente a Associação Nacional de Municípios. E, uma coisa podemos garantir: nenhum munícipe passou a pagar mais um cêntimo que fosse pelo facto de ter havido essa alteração.

(...)

De acordo com as regras actuais, as autarquias deverão, no mínimo, fazer repercutir naquilo que cobram pelos serviços que prestam, no mínimo, os custos que têm com a prestação desses serviços. A ideia que temos é de que, no concelho da Marinha Grande, a água tem um preço que está muito abaixo da média nacional e até mesmo da nossa região.


Face à posição clara do Sr. Presidente, todas as dúvidas que manifestámos sobre a aplicação da nova tarifa de disponibilidade começam-se a dissipar, parecendo confirmar-se que a mesma está a ser aplicada de forma ilegal.
Apesar da pergunta ter sido mal formulada (o Sr. jornalista, que conduziu a entrevista, tinha a obrigação de saber a diferença entre uma taxa e um imposto), a não resposta do Sr. Presidente foi reveladora, senão vejamos:

1. diz o Sr. Presidente que foram auscultadas “todas as entidades que entendemos terem relevância nesta matéria, nomeadamente a Associação Nacional de Municípios”.
A alusão que o Sr. Presidente faz (“nomeadamente”) à ANMP não é por acaso, nem é inocente. Recordemos o que disse o vice do Dr. Ruas a este propósito:

O vice-presidente da ANMP refere que as autarquias não podem perder receitas e por isso vão contornar a lei.
"Isto resulta da disposição legal que impediu que houvesse a taxa de aluguer do contador, mas também há outros dispositivos legais que dizem que os preços têm de ser reais. Os municípios tiveram de encontrar soluções para cumprir todas as leis que estão disponíveis", explicou o responsável pelas águas e resíduos da ANMP.
Fernando Campos disse que os municípios decidiram criar uma taxa de disponibilidade de serviço ou então proceder a acertos no preço do metro cúbico, "sendo certo que o valor final da factura tem de ser o mesmo"
.
Regista-se uma vez mais (com espanto!), que um dos interlocutores privilegiados desta câmara seja a insuspeita ANMP e que um partido dito de esquerda e que se arroga de arauto da defesa dos trabalhadores, não ausculte, por exemplo, a DECO, decalcando na integra as directrizes da sua associação de classe, para justificar o injustificável. Talvez por contaminação do camarada de coligação o PCP se esteja a transformar num partido neo-liberal, que privilegia a receita e detrimento da lei. Quem diria!

2. mas se a questão é a aplicação de uma taxa prevista na lei, fazendo repercutir na factura do consumidor os custos relativos à construção, conservação e manutenção do sistema de distribuição de água, o que se retira das palavras do Sr. Presidente é que nem ele parece saber quais são esses custos ao responder que: “A ideia que temos é de que, no concelho da Marinha Grande, a água tem um preço que está muito abaixo da média nacional e até mesmo da nossa região.”
O Sr. Presidente da câmara para aplicar uma taxa que tem de ter correspondência com os custos efectivamente suportados (é isso que diz a lei) não pode ter uma “ideia” sobre a comparação de preços entre municípios, não lhe basta dizer que a nossa água até é mais barata que a água aqui do vizinho do lado, o Sr. Presidente tem é de ter certezas sobre aquilo que custa manter o sistema em bom e regular funcionamento. Até porque a comparação de preços é falaciosa, uma vez que os municípios podem ter custos diferentes para disponibilizar o mesmo serviço. Mas será que o Sr. Presidente sabe efectivamente quanto é que isso custa? Não cremos. Em contrapartida, para criticar a nova lei, revela que o facto da facturação ter passado de bi-mensal a mensal (com a consequente antecipação de receita, que preferiu ignorar) custa à câmara mais 100.000 euros - só esperamos é que estes cálculos não tenham sido feitos pelos mesmo peritos que estimaram as “obras de adaptação” do “nado-morto” (mercado do Atrium).

3. contudo, o Sr. Presidente tem uma certeza: “nenhum munícipe passou a pagar mais um cêntimo que fosse pelo facto de não ter havido essa alteração”.
Pois é Sr. Presidente, só se esqueceu de um pequeno pormenor, é que quando alguém tem de pagar por algo que não deve, tudo o que paga é a mais, nem que seja o tal cêntimo a que se refere.

Para terminar, e até porque as respostas do Sr. Presidente não suscitaram no espirito crítico do entrevistador qualquer questão adicional sobre esta matéria, gostaríamos de deixar uma pergunta que pensamos de resposta fácil, uma vez que se trata de um dado fundamental a quem gere uma rede de tratamento e distribuição de água:
qual a percentagem de água que se “perde” no sistema, entre o total de água tratada e pronta para consumo e a água efectivamente consumida e facturada ao consumidor final?

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

EXCLUSIVO LARGO DAS CALHANDREIRAS

Pois é camaradas, cuidem-se, nós tinha-mos avisado, a nossa rede de informadores e infiltrados é potentíssima e ninguém está a salvo dos flashes dos nossos paparazzi. O Largo das Calhandreiras soube em primeira mão da entrevista do João das Barbas, esteve lá e hoje revela em exclusivo uma bela foto do presidente em suspensão no momento em que zancava nos seus camaradas de partido e em que dava mais uma bonita lição de coerência. Olhó passarinhoooooo!... Já está. Não digam que não ficou catita?



E não percam esta noite a partir das 23 horas, no Largo das Calhandreiras, o evento “Todos Contra Uns e Uns Contra Todos”, a luta feroz pelo cinturão de campeão, a luta feroz entre os que perderam a confiança política e os que lha tiraram. João das Barbas versus PêCê e Artur Autocolante versus PêPêDê, os maus contra os bons e os bons contra os maus, um espectáculo com cenas arrepiantes, tudo em directo a partir do Municipal Arena Assembly, onde se vai jogar o título municipal de campeão da CM, a Coligação Maravilha. Vai ser um evento fabuloso, não percam! Fiquem com um cheirinho do que se vai passar (não se preocupem que apesar de parecer verdade é tudo a bricar, como na vida real);



quinta-feira, 23 de outubro de 2008

Revista de Imprensa (quentinha)

João Barros Duarte, presidente da Câmara da Marinha Grande com o mandato suspenso
.
O PCP aburguesou-se muito na Marinha Grande

Sente-se tratado como uma “embalagem descartável” pelo PCP e diz que foi afastado por se recusar a fazer favores a alguns dirigentes locais. Responde às críticas do PS de falta de obra com o facto de ter dado prioridade à organização da autarquia e condena a postura eleitoralista do principal partido da oposição.

Quando há cerca de um ano suspendeu o seu mandato deixou em aberto a possibilidade de regressar à Câmara da Marinha Grande. Mantém a mesma posição?

Quando pedi a suspensão admiti uma evolução da situação que me proporcionasse retomar a actividade. Pareceu-me contranatura dois ou três camaradas proporem a minha saída. Sem a confiança política do meu partido não havia condições para funcionar. Pedi a suspensão na perspectiva de que as condições pudessem ser alteradas.

E essas condições alteraram-se?

Não. Em alguns casos até era natural que se tivessem esclarecido.

Como estão as suas relações com o partido?

Praticamente não existem. O partido retirou-me a confiança política e eu não reagi. Tenho estado quieto e calado.

Sente-se desapontado?

Desapontado qualquer pessoa fica quando é militante de um partido há 45 anos, cumpriu com dedicação todas as regras partidárias, e chegam dois ou três indivíduos e utilizam-no como uma embalagem descartável.

Quem é que na realidade o afastou?

Foram os principais dirigentes locais do partido.

Sob que justificação?

A questão do terreno do Marinhense é a mais forte. Queriam-me forçar a aprovar aquilo. Sou uma pessoa coerente, ética e respeito a confiança das pessoas. O grosso do meu eleitorado não se sentiria bem se cedesse numa coisa dessas quando sempre disse que não era justo. Uns tinham necessidade de retirar os avales que tinham na Direcção do Marinhense. Outros faziam uns favores uns aos outros. Favorzinhos que não se devia fazer no PCP. Deixei margem para criar condições para passar, mas sem a minha assinatura. Mas eles não quiseram. A partir daí criaram-se outras situações idênticas.
.
Se estivesse inscrito na Marinha Grande, votaria no partido?

Quando decidir votar não o faço contra o partido. Posso reconhecer que não é o candidato melhor e abster-me.

E faria campanha pelo PCP na Marinha Grande?

A manter-se a situação, sem qualquer evolução ao nível dos responsáveis locais, não.

Foi acusado, muitas vezes, pelo PS de não ter realizado obra. Como vê estas críticas?

A câmara estava muito desorganizada em termos de estrutura, pessoal, funcionalidade e tesouraria. Quando o partido que está no poder esbanja com um conceito eleitoralista e aproveita até ao máximo todas as possibilidades que tem de fazer investimentos, uns legais e outros menos legais, isso desorganiza uma câmara. Quando cheguei lá a primeira coisa que fiz foi organizar as coisas. Isso levou tempo. Algumas obras que estão a ser agora iniciadas foram planeadas no meu tempo. Vencendo muitas dificuldades. Quando as coisas estavam todas preparadas, foi quando se deu esta situação.

Faltou-lhe tempo para concretizar obras?

Tem sido uma das pechas do meus mandatos não estar mais de um mandato seguido. Um mandato é praticamente para pormos a câmara ao nosso jeito para podermos governar. A CDU não pode contar com os benefícios dos sacos azuis que outros partidos têm contado para auxiliar os seus autarcas. As receitas que as câmaras têm deviam ser para fazermos obras no nosso mandato.

A avaliação dos funcionários da autarquia conotados com o PS gerou alguma polémica. Se tivesse feito essa avaliação, conseguia reconhecer o mérito das pessoas independentemente da cor partidária?

O meu passado, a esse respeito, responde por mim. Sempre tive muito cuidado e respeito com essas coisas, porque durante o fascismo fui muitas vezes discriminado. Muitas vezes contrariei algumas correntes dentro do meu partido, que diziam que devia meter na câmara mais gente da minha cor. Sempre disse que se devem escolher os que mostrarem melhores condições de acesso. Sigo os princípios do partido. O PCP aburguesou-se muito na Marinha Grande. Há algumas correntes burguesas que não têm
nada a ver com o partido. O princípio do partido é haver justiça, não favoritismos. Mas é evidente que em igualdade de circunstâncias opto por indivíduos do meu partido
.



(surripiado do Jornal de Leiria)

EDITAL


A menos que este senhor, contra todas as expectativas, se decida candidatar à câmara da Marinha em Grande para dar um novo fôlego e alguma alegria a esta cidade, não vemos razões objectivas para retomarmos as emissões regulares a partir do Largo mais famoso da cidade. Por falar em alegria, alguém sabe quando é que o Barbas abdica?


Em abono da verdade:
ainda estamos a digerir a doce e melodiosa entrevista ao Sr. Presidente em exercício e boquiabertos com a subtileza, ironia e contundência do último escrito do poeta Guerrilha “El Presidente”, no periódico do Sr. Director encartado, pérolas de cultura!

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Ração de Combate

Passatempo das Calhandreiras



Uma vez que o bacalhau está entregue, aqui vai para um garrafão de azeite extra-virgem de 154 octanas (directamente do lavrador, que o compra em Espanha e o vende no mercado da feira dos porcos, como alguns por malícia lhe chamam). Não, pensando melhor um garrafão é pouco, cinco garrafões e dois quilos de pêra rocha que esta não é para qualquer um. Cá vai alho:

“Não se tolera que um vereador que faz de fiel da balança, vote algumas vezes com a maioria o que também acontecia quando eram poder, o qual, com sentido de responsabilidade, compromete o seu voto com os superiores interesses do concelho e se alheia das tricas partidárias.”

Querem uma dica? Já dei.
Caso ninguém acerte já sabem, vai para o fundo de apoio ao alargamento da Zona Industrial.
Olhem que o azeite é mesmo do bom...

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

Passatempo das Calhandreiras



Vá lá pessoal, esta é fácil, um bacalhau graúdo para quem acertar no autor desta magnífica prosa:

“O Mercado da Resinagem é fechado pela ASAE, após uma campanha ignóbil, com o mote de que o mercado não tem condições e que existem no mesmo ratos e outros animais semelhantes. Nos 12 anos em que foram Câmara Municipal estes animais por certo não existiam lá. Nasceram a partir do dia em que perderam as eleições.”

Querem uma ajudinha? As Produções Fictícias já lhe fizeram uma proposta para guionista.
E já sabem, se ninguém responder correctamente o bacalhau reverte para o tal fundo de apoio ao alargamento da Zona Industrial.

e agora algo só para o pessoal muito, mas mesmo muito inteligente...

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

O Bursaphelenchus Xylophilus

A coisa é grave! O bursaphelenchus xylophilus, de baptismo, mais conhecido entre a súcia pelo nemátodo do pinheiro, até agora confinado a algumas regiões a sul do rio grande, está inapelavelmente a dirigir-se para norte. “Que se cuide o Pinhal do Rei”, parece gritar por entre estridentes gargalhadas guturais o longicórnio do pinheiro, insecto vector que transporta na sua traqueia, imagine-se, o microscópico facínora que nutre especial devoção e apetite pelo pinheiro bravo. “Agulhas amareladas e murchas, começando pelas mais jovens, que ficam na árvore por longos períodos de tempo”, “árvores com a copa total ou parcialmente morta”, “murchidão generalizada e súbita”, eis alguns dos sintomas agonizantes, após infligido o letal ataque do bárbaro agressor.



Bastou que o mercado na Wall Street cedesse, para que o mercado na Feira dos Porcos vacilasse, fazendo jus ao dichote popularucho – até a barraca abana! - coisas da globalização. Mas se lá foi a ganância pelo argém que acendeu o rastilho, cá foi a ganância pela legalidade, das leis, essas estranhas e curiosas linhas que delimitam a acção e o modo, umas vezes mais esticadinhas e niveladas que um prumo, outras vezes mais flácidas e serpenteantes que uma jibóia perguiçosa, tudo dependendo do olho director do sicrano ou do beltrano que as mire, de vesgo soslaio ou com modos de mirante conhecedor. É conforme.
A verdade é que, após uns quantos meses a estagiar em cascos de carvalho francês nas bafientas sub-caves dos paços (ainda se está para perceber porquê…), foi servido a contra-gosto à oposição, um parecer de violação dos pormenores da zona de implante do barracame, com rótulo de agarranado e com indicação de proveniência - comissão de região demarcada de origem duvidosa. “Cá está!” exclamou a oposição, finalmente o elemento que faltava para completar o puzzle da infracção e fazer soltar o gás. Logo a madre de Calcultá encabeçou a rebelião e brandindo o documento-prova diante dos prestimosos servidores da comunicação de massas, sequiosos de sangue quentinho para uma cabidela avinagrada, reclamou em tom de cantilena pueril: “violaram, violaram, violaram! Bem-feita, bem-feita, bem-feita!”. Mas espera que não se ficaram sem resposta! Logo um arcediago sabido e um cacifeiro ofendido (este na dupla qualidade de vendedeiro e de utenteiro), a duas vozes, afinadinhos, saltaram em defesa da honra, devolvendo a cantilena monocórdica sob a forma de argumentação barata e bacoca: “vocês é que violaram, vocês é que violaram! Queixinhas, queixinhas, queixinhas!”.
Psschiuu!!! Então meninos? Compostura! Tino, porra! Mas por acaso vocês acham que nós estamos interessados em saber quem violou mais vezes a lei? Vocês acham que nós acreditamos nas vossas intenções quando nos dizem aquilo que vos convém em cada momento? Vocês acham que somos parvos, ou quê? Nós estamos interessados é que as leis se cumpram, e em primeiro lugar pelos que nos devem o exemplo. Nós estamos interessados é que subam, não o tom, mas o nível da discussão. Nós estamos interessados é que tenham e-s-t-r-a-t-é-g-i-a! Nós estamos interessados é que tenham i-d-e-i-a-s e as c-o-n-c-r-e-t-i-z-e-m, que sejam c-o-e-r-e-n-t-e-s! Será que é pedir muito? Vá lá meninos, tento na língua, olhem para o exemplo dos vossos colegas aí à direita, caladinhos, sossegadinhos, bem comportados, com umas asinhas brancas e uma auréola beatífica. E porquê? Porque fazem sempre os deveres e portam-se sempre bem. ENTENDIDO?



Cidadãos de Santa Maria da Marinha, a quem o ministro marquês um dia dispôs que se chamasse, para nossa honra e glória, Marinha Grande, anuncio-vos o óbvio: o bursaphelenchus xylophilus há muito que tomou conta dos pinheiros da nossa cidade, em particular daqueles em quem fomos confiando, seguros das suas fundas raízes, tronco firme, sombra generosa e seiva abundante. Afinal, estão murchos.



Há duas estratégias possíveis para combater este flagelo do nemátodo do pinheiro. A primeira estratégia, a que está em curso, resulta do estado de letargo geral e aponta para uma sépsia generalizada das diversas espécies de pinheiros, no pressuposto de que quando já não houver mais cuníferas para infectar o nemátodo se erradica a si próprio. É uma estratégia destrutiva e causadora de incalculáveis prejuízos.
A segunda estratégia, a mais difícil, resulta da vontande inconformista e de não resignação, apontando no sentido dum combate feroz e ingente ao longicórnio do pinheiro, o tal insecto vector que transporta o minúsculo macaréu. Este insecto de ambição desmedida, que pulula e parasita indiferente em torno das nossas florestas, é ele próprio também uma praga que urge fulminar, pois parecendo inofensivo e inócuo é o terrível e abominável hospedeiro que permite a disseminação desta abjecta doença, que mina a saúde e a alma dos nossos pinheiros.

Revista de Imprensa

"Sectores da cerâmica e vidro perderam mais de 20 mil empregos"

Os dirigentes regionais do PCP revelaram, ontem de manhã, que, nos últimos cinco anos, os sectores da cerâmica e do vidro empurraram para o desemprego cerca de 20 mil trabalhadores.
Essa preocupação dos dirigentes comunistas foi transmitida ontem de manhã, durante um périplo que fizeram a várias empresas do distrito, nas áreas da cerâmica e vidro, que despediram milhares de trabalhadores.
Uma das empresas visitadas pela comitiva, que encerrou portas em 2005, deixando noo desemprego 48 funcionários, alguns deles com mais de 25 anos de trabalho, foi a Plásticos Lena, na Gândara dos Olivais, Marrazes.
António Marcelino, dirigente sindical, lamenta que a ex-administração da empresa não tenha pago o subsídio de Natal de 2004, o vencimento do mês Janeiro e parte do de Fevereiro de 2005 e as respectivas indemnizações.
“Existiam encomendas e o sector dos plásticos não é daqueles que está em crise, por isso só podemos concluir que houve gestão danosa”, ataca o dirigente sindical, adiantando que a compra das instalações em hasta pública foi feita pelo ex-proprietário.
“Isto é inadmissível que aconteça e os trabalhadores estão sem receber as indemnizações”, acrescenta. Um dos trabalhadores, presente no encontro, adiantou que existem casais ex-trabalhadores que augardam pelo pagamento de 50 mil euros de indemnização.
Para Vitor Fernandes, dirigente comunista, o caso dos Plástico Lena é idêntico ao de outras empresas do distrito, que encerraram portas por alegada “má gestão” e por não conseguirem suportar a crise internacional, na área da cerâmica, como é o caso da Raul da Bernarda, em Alcobaça.
Os cerca de 100 trabalhadores desta cerâmica aguardam pelo processo de reestruturação em curso, tal como revelou recentemente ao Diário de Leiria um dos administradores. “Esperemos que a empresa regresse à laboração, embora estejamos um pouco cépticos em relação ao futuro”, afirma Vitor Fernandes.

Mais apoios às Pequenas
e Médias Empresas
Uma das soluções apontadas por Vítor Fernandes para evitar o encerramento de mais empresas - segundo dados revelados pelos comunistas nos últimos cinco anos encerraram no distrito 300 unidades industriais-, passa pela criação de uma linha de crédito de apoio às Pequenas e Médias Empresas, para que possam reestruturar-se e manter os postos de trabalho.
“Não basta anunciar medidas. É necessário colocá-las em prática porque, caso contrário, o futuro não será nada risonho”, sustenta.
Nos últimos cinco anos das cerca de três centenas de empresas, destacam-se a Secla, A Pastoret, La Faubourg, nas Caldas da Rainha), Damâso (Vieira de Leiria, Os Pereiras e a Louçarte, em Valado dos Frades, a Canividro, Vitroibérica, Mortense e LEPE (Marinha Grande).


(surripiado do Diário de Leiria)

sábado, 11 de outubro de 2008

O Sr. Director tem razão, mas...

No editorial do JMG desta semana, o seu ilustre* director, a propósito da novela “Os Três Mercados”, sugere uma tomada de decisão definitiva sob pena deste assunto se eternizar, desviando “as nossas atenções de assuntos verdadeiramente importantes para o futuro do concelho”. Mais sugere o novel* e avisado* director, que a solução passe por um entendimento entre os diversos partidos de forma a que a questão fique de uma vez por todas, resolvida. Não poderíamos estar mais de acordo, o senhor tem toda a razão!!!
Mas (e há sempre um “mas”), senhor director, só há uma coisinha que nos baralha, porque é que o site do JMG mantém desde Fevereiro de 2007 esta sondagem?

“Acha que o Mercado Municipal deve mudar-se para as novas instalações?”


Tem de concordar que, havendo questões bem mais importantes, esta sondagem já não faz muito sentido. Vá lá, desta vez (só desta!) dê-nos razão e mude lá a sondagem. Olhe, pode perguntar por exemplo, o que é que as pessoas acham do nosso candidato.




* temos de ser generosos já que o Sr. Director voltou esta semana, e após largos meses de ausência, a enriquecer as páginas do seu jornal com os contributos do nosso modesto blogue. Bem-haja senhor director.