.
.

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Fernando Pessoa (75 anos depois)

Não Digas Nada!

Não digas nada!
Nem mesmo a verdade
Há tanta suavidade em nada se dizer
E tudo se entender —
Tudo metade
De sentir e de ver...
Não digas nada
Deixa esquecer

Talvez que amanhã
Em outra paisagem
Digas que foi vã
Toda essa viagem
Até onde quis
Ser quem me agrada...
Mas ali fui feliz
Não digas nada.

Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"

4 comentários:

Fê-blue bird disse...

Meu amigo.
Este lindo poema do nosso poeta mais alto, está-me a fazer chorar copiosamente...hoje estou triste nem sei bem explicar porquê.

Beijinhos

ah pois é disse...

até eu que não sou dessas coisa já ensopei 3 pacotes de 10 da Renova

Isa GT disse...

A Fê é sensível demais... para o país onde vive e quanto ao F.P. tem coisas que 75 anos depois, poderiam ter sido escritas ontem .

Bjos

Rogério Pereira disse...

Caro Folha Seca,

retribuo o poema com um pensamento dele, ajustado ao que foi comentado

"Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos."

Abraço