.
.

domingo, 25 de janeiro de 2009

"vais levar com os sapatos!"



Em artigos de opinião no JMG, na semana passada o Dr. Marques chamou “vendedor de ilusões” (mas o que deveria ter chamado era de “banha da cobra”, segundo o próprio) e “figura rosa” ao Dr. Pedrosa, acusando-o de dizer asneiras. Esta semana o Dr. Pedrosa alude ao Dr. Marques como “havendo mesmo por aí uns aprendizes de feiticeiro”, acusando-o de baralhar e enganar a consciência das pessoas.
Haja alguém que explique a estes senhores, com grandes responsabilidades, que a urbanidade, a educação e o respeito são algumas das principais qualidades que um político sensato deve cultivar, recordando-se ainda que em política não há inimigos mas sim adversários, e que em democracia as opiniões divergentes são legítimas e essenciais "combatendo-se" com argumentos e ideias. A menos que estas “pequenas manifestações de intolerância” não tenham nada a ver com política e se resumam a meros arrufos de gente grande a comportarem-se como miúdos. Nesse caso ainda um dia destes vamos ouvir um dos dois dizer “ele é que começou primeiro!”
Sai um par de sapatos para cada um, se faz favor.

17 comentários:

Anónimo disse...

Miudos não, garotos!!! e ainda por isso dos que pensam que são importantes. Alem disso nao conseguem ver que influenciam negativamente as clãs onde vivem.

Em vez de levaram com um par de sapatos, não podiamos atirar-lhes um contentor ? Ou melhor, mete-los juntos dentro do contentor e deixa-los cair em alto mar.

Anónimo disse...

Apetece-me dizer como na canção "atira-te ao mar e diz que tempurrarem", vão morrer para longe.

São importantes sim fazem questão de se denominar DRS, quanta imbecilidade provinciana.

Anónimo disse...

Concordo um par de Patins a pilhas e daquelas que não acabam tão depressa, longe com eles.

Mr. Bean disse...

Depois de ler os comentários anteriores não posso deixar de manifestar alguma tristeza. Demarco-me em ABSOLUTO dos mesmos, porque a intenção deste "par de sapatos" foi precisamente a de chamar à atenção para a intolerância e até para alguma falta de respeito que se verifica entre os nossos políticos.
Como os comentários anteriores são eles também o prolongamento dessa intolerância, não posso concordar com eles reafirmando que em democracia todos são necessários, mesmo aqueles com quem não concordamos. É bom não esquecer que as duas pessoas referidas merecem todo o nosso respeito, não devendo nunca confundir-se sátira com achincalhamento. Parece haver pessoas que fazendo uso da liberdade de comentar que aqui têm, facilmente estabelecem essa confusão. Se é voluntária ou não, não sei. O que sei é que por vezes a respeito de alhos se comentam bugalhos.

anarcabe disse...

Concordo com o Mr Bean. Mas o problema é que os outros comentários serão a resposta às muitas diatribes dos doutos Srs. das botas, e daí à intolerância, vai um passo.

Anacrónico disse...

Claro que também eu, modesto bitaitante deste espaço, aplaudo a oportuníssima nota do Mr. Bean. Eu, que tenho nestas duas personagens, com ou sem dr.s, pessoas por quem tenho estima, sinto-me um pouco incomodado pelo linguajar menos lisonjeiro que têm um para com o outro.
Por vezes sinto que há uma certa quebra de um polimento que se desejaria em pessoas com as responsabilidades políticas (e, logo, de exemplo) que têm!
Por isso, e como é evidente, os exemplos que deveriam dar ficam assim um bocado como que para o baço, em nada contribuindo para que (mesmo poucas!) atitudes construtivas possam ocorrer em favor deste nosso Concelho!
Perdoem-me a impertinência da pergunta: demorará muito a que os nossos políticos (estes incluídos) passem a dignificar aquilo a que, por certo, se atreverão a chamar de 'a nobre arte da política'?

Mr. Bean, tem por aí stock de sapatos, ou atiramos mesmo os nossos?

Praça Stephens disse...

Caro Mr bean (já com a mão estendida para a reguada)

também, deixe que lhe diga, com toda a consideração pela sua opinião, que não é bom meter tudo no mesmo saco e dizer que é a mesma coisa, porque não é.
chamar aprendiz de feiticeiro não me parece ofensivo, ao contrário dos textos desse cavalheiro quando se refere a mim - um chorrilho de insultos.
Mas confesso-lhe também uma coisa, não sou de dar a outra face, sou mais do olho por olho, dente por dente.

JPP

Anónimo disse...

Caro JPP,

quem semeia ventos, colhe tempestades ........

e quem tem telhados de vidro, não devia atirar pedras ......

Acintoso disse...

Pois é JPP, lamento mas com essa teoria não vais longe pá. Ainda vais ficar cego e desdentado!!

anarcabe disse...

Só uma graça JPP, o outro douto Sr. não será um aprendiz de feiticeiro, é mesmo mestre.

vinagrete disse...

Este sábado passado, um puco contra a minha vontade, fui a Lisboa com a família ver um espectáculo musical proporcionado por um grupo de jovens com origem no Reino Unido, que produzem MÚSICA com todo o tipo de materiais, desde lixo doméstico, latas, latões, bidons, vassouras, tubos de canalização, jantes e tampões de rodas de carros, jornais, sacos de plástico. Com tudo, menos com instrumentos musicais, que como se sabe são caros e pagam IVA a 20%.
Vem isto a propósito das rábulas protagonizadas pelos principais actores políticos locais.
Dizem os que há mais de três anos nos deviam governar, que mais não fizeram do que umas lombas aqui e ali, uns kilitos de massa asfáltica acolá, a substituição de uma lâmpada na Ordem, no beco da camarada Rosa Vermelha, porque os outros gastaram o dinheiro todo a fazer coisa nenhuma, excepto obras de fachada, como o Parque Mártires do Colonialismo, o Parque da Cerca, (o tal contaminado), o Museu do Vidro, a Biblioteca Municipal, o Museu Joaquim Correia, o Arquivo Municipal, as Piscinas de Vieira de Leiria, a Zona Ind. de Vieira de Leiria, o Pavilhão Desp. Nery Capucho, o Parque Municipal de Exposições, a Requalificação do Estádio e da Zona Desportiva, estradas para a Vieira, para Pilado/Monte Real, Amieira, Pedra/Fonte Santa, Picassinos/Albergaria, alargamento da Ponte de Picassinos, viadutos desnivelados para Picassinos e a Rua 10 de Junho, e o viaduto para acesso à zona industrial, novos furos de água, novos depósitos, elevados e apoiados, entre outras obras só para encher o olho.
Este argumento da falta de dinheiro, ainda que atendível, não é relevante. Pior do que a falta de dinheiro é a ausência de ideias, de criatividade, de sensibilidade para a preservação da qualidade do espaço público.
Marquem bilhetes e vão ouvir a música produzida a partir de instrumentos de custo zero e aprendam a lição que estes jovens músicos transportam com eles.
Criatividade, arte, muito trabalho de preparação e ensaios para que tudo saia coordenado e sob um único comando. Sentido estético, elevados padrões de planeamento e organização do espectáculo, para manter o público agarrado, rendido, a ovacionar a cada nova encenação, são os argumentos de quem produz muito com quase nada.
O cidadão comum, como eu e muitos outros, para apoiar um determinado projecto, neste caso de cidade e de desenvolvimento, precisa, muito antes de se gastar dinheiro, de o perceber e de o assumir como seu.
Ora, aquilo que temos visto durante mais de três anos, é a organização gigantesta de campanhas de propaganda, culpando os outros pela inoperância com que este executivo funciona, mas pior, é o anúncio de intenções de projectos avulsos, sem uma estratégia de desenvolvimento integrado que os ligue, apregoada por mensageiros sem credibilidade,
que só conduzem ao descrédito de quem as formula e ao cada vez maior atraso do Concelho, porque, durante mais 9 meses, teremos que esperar pelo parto de um nado-morto.

folha seca disse...

Bem vindo caro Vinagrete!

Ha tempos que não participavas com os teus textos incisivos e esclarecedores...Agente sabe que tu és daqueles que sabem o que dizem e souberam fazer obra.. Pena é que os destinos da nossa terra estejam entregues a figuras tristes que mais não fazem do que passar a vida a desculparem-se com os outros.
Vamos ver se a lucidez de quem decide estas coisas sabe escolher candidatos ás proximas autarquicas que sejam capazes de retirar a nossa terra do marasmo em que se encontra não só por culpa dos "vencedores" mas mais por culpa dos vencidos... pois claramente só o foram por ter apresentado ao jogo uma equipa sem tarimba para ganhar o jogo e isso era claro já antes do apito inicial...

meiguinho disse...

Este sentimento de vingança que todos desconfiavamos e que o JPP aqui confirmou, não augura nada de bom para o nosso concelho.

Questiono-me se esta forma de fazer politica, engrandece quem a faz e sobretudo se melhora as populações a quem atinge.

Assim foi no passado, confirma-se no presente e que poderemos esperar no futuro ?

Caro Vinagrete, a culpa não é das equipas, mas quem superiormente as indica. E é claro que as duas pessoas de que fala o Mr. Bean têm muita mão nesta decisão.

Com a tarimba destes vencedores e vencidos, somos insistentemente atirados ao tapete.

anarcabe disse...

Com tanto mar a bater na rocha, para variar quem se lixa, é o mexilhão.

"Excelssas" personagens, de ambas paragens, tirem um curso de orientação e progridam no terreno, já que nós temos que gramar com uns ou com outros.

Acintoso disse...

Caro Meiguinho,
Quando no meu comentário referia: "pois é JPP, lamento mas com essa teoria não vais longe pá. Ainda vais ficar cego e desdentado!!", quis usar uma metáfora com a qual, pretendia dizer exactamente o que o Meiguinho diz no seu comentário. Não será SÓ ele, JPP, que perde com isso. Somos todos nós, marinhenses, independentemente da ‘cor’ que vistamos!...
Concordo consigo quando afirma que não é com arrogantes sentimentos de vingança que cheguemos a lado algum!
É lógico que não poderemos fazer 'vista grossa' às pedradas que nos atiram, nem, tão pouco, admitir que, de forma sistemática, distorçam a realidade dos factos com mentiras e boateiras!
Teremos, para fazer contraponto a esse estado das coisas, de fazer passar para o eleitorado, uma mensagem digna e honesta, onde sejam apresentadas propostas sólidas e capazes de levar a que a nossa Marinha Grande possa reencontrar, o mais rapidamente possível, o lugar que lhe é devido entre os concelhos que formam a nossa área geográfica.
E isso, que me perdoe o JPP, não se consegue com picardias e azedumes indisfarçados.
O Vinagrete, a quem saúdo pelo regresso, deu um bom exemplo sobre o caminho a seguir e a forma de o dizer!.
Será que os timoneiros 'Xuxas' (como diz o outro) serão suficientemente humildes (e sábios!!) para lhe seguir o exemplo?

Anónimo disse...

Sem acintosidade, os timoneiros xuxas, são humildes o suficiente para continuar o trabalho que foi infelizmente interrompido, a Marinha não parou 4 anos, retrocedeu 20! O prezado vinagrete, podia ter enumerado mais obra, no entanto a já referenciada é suficiente, para envergonhar a obra feita, pela excelente coligação cdu/psd, ou melhor CDU/+ o independente ex. psd

Anónimo disse...

Timoneiors Xuxas, tão bons, tão bons mas mesmo tão bons que ............... nem contas de multiplicar sabem fazer.

Ah! Ah! Ah!