.
.

terça-feira, 27 de julho de 2010

Justiça ?


IOL Diário - Ministério Público deu por concluído o processo Freeport


Depois da conclusão do processo há que perguntar como é que é possível durante longos 6 anos um cidadão, poder estar sob suspeita de ser corrupto. Se é grave acontecer a qualquer cidadão comum, mais grave se torna quando se trata de um dos mais altos responsáveis dos destinos do País.
Goste-se muito ou pouco de José Sócrates parece-me que não podemos ficar indiferentes a quanto o mesmo foi prejudicado e sobretudo o efeito para a eficácia governativa e naturalmente as consequências no passado, presente e futuro do nosso País.
Não sendo tecnicamente conhecedor dos mecanismos que levam a serem necessários 6 anos a apurar a responsabilidade de um qualquer cidadão vitima de uma denuncia anónima (como foi o caso) nenhum argumento me convence de que isto é possível, mesmo que os entendidos argumentem com "a complexidade do processo".
Como Português que tenta manter o orgulho em o ser, não posso deixar de ir sentindo alguma vergonha por algumas coisas que se passam neste País, sendo uma delas o "funcionamento" da justiça e toda a panóplia de estruturas que deviam assegurar o funcionamento célere da mesma , para que não seja a praça publica a julgar, seja quem for. O que neste caso aconteceu.
A noticia da inocência de José Socrates, rápidamente vai passar à margem da opinião publica, não só pelo período em que é conhecida, mas sobretudo porque vai deixar de ser um assunto que aumenta a venda de jornais e revistas e as audiências das televisões.

16 comentários:

Fê-blue bird disse...

Eu só me pergunto, se ele é inocente, como tem estômago para engolir aquilo tudo ?
O homem deve ser de ferro !
Quanto à justiça, o que é feito dela, que não a encontro em lado nenhum!

Beijinhos

Ana Brito disse...

Caro Folha Seca
Tenho acompanhado neste blogue o seu trabalho assertivo, entusiástico, pleno de massa crítica, sublinhando o problema da essência que é também muitas vezes a questão da predicação e felicito-o por isso, pela forma como (re)configura temas complexos e/ou cheios de elementos solidários entre si, sempre componentes de uma estrutura inter-relacionada com os demais e com a totalidade, sempre comprometido com a inspecção do espírito e com a multiplicidade de sentidos que a sua experiência tão bem vivencia enquanto tecido de base de um conhecimento adquirido e como opinião reflexiva do mundo inteligível.
Aceite as minhas saudações e votos de continuação de dias felizes e inspirados.
Ana Brito

Isa GT disse...

Justiça, justiça não se pode dizer que temos, uns têm advogados bons e super caros, outros, nem por isso, especialmente, os que ficam com os processos de gente modesta. Depois fica tudo muito esquisito e eu não meto as mãos no fogo pelos que a justiça considera inocentes, se se quiser queimar...estamos num país livre ;))

Bjos

folha seca disse...

Cara Fê

Concordo inteiramente.
Acho que há uma gigantesca luta a travar ainda, pela nossa geração e as que seguem, para que haja justiça, em todos os sentidos.

Abraço

folha seca disse...

Cara Ana Brito

É um prazer receber um comentário seu, aqui nosso Largo.
Agradeço as palavras que me dirigiu, na convicção de que as mesmas envolvem o colectivo da comissão de moradores e os fundadores do Largo das calhandreiras
Obrigado
Espero vê-la por cá mais vezes.
Cumprimentos

Rogério Pereira disse...

Caro Folha Seca,

Eis mais uma situação que nos une... Tal como pensa eu julgo. Não se combatem políticas nem se luta pela justiça, com julgamentos na praça pública nem atacando-se o carácter de uma pessoa... Não sei se sabe, mas fiz muitos posts sobre o tema. Cheguei até a fazer uma montagem onde aparecia na primeira página do semanário "O SOL" (pode ver no meu baú, etiqueta "Provas de que o PiG existe"). Digo mais, os ataques a Sócrates, promovidos ou alimentados pelos semanários ditos de referência, foi um dos factores que me levaram a criar o meu blogue e a dar-lhe por finalidade a denúncia da imprensa golpista.

Podia agora fazer um texto regozijando-me com este desfecho. Não fiz nem faço. 6 anos para chegar aqui, não é, para mim, motivo de satisfação...

Abraço Amigo

folha seca disse...

Cara Isa

Tambem é um prazer tê-la por cá, desculpe não lhe ter no seu anterior bitaite, dado as boas vindas o que faço hoje.
Espero tambem vê-la por cá mais vezes dado que ao exemplo do que acontece, com a Fê e a Ana Brito, os nossos caminhos na blogosfera têm-se cruzado muitas vezes.
Sobre o tema, o escrevi não significa que ponha as mãos no lume pelo José Socrates. Mas o que quis foi realçar o tempo que demora uma investigação e manter a suspeição sobre alguem, seja quem for.
Quanto ao resto e sobre a justiça se tiver paciência copiei o endereço que lhe deixo abaixo e acho que aqui mesmo escrevi sobre aquilo que escreveu.
Cumprimentos

http://forumlc.blogspot.com/2009/12/justica.html

folha seca disse...

Caro Rogério

Estava a responder aos comentários ao meu post de hoje.

Claro que há muitas coisas em que estamos de acordo.
Só lembro que a pena de morte (por decisão judicial) foi abolida em quase todo o mundo civilizado, mantendo-se teimosamente nalguns estados Americanos, dada a sua irreversibidade.
Não querendo assim de repente tornar-me num Sócrastico militante (que não sou) se existisse em Portugal pena de morte e a opinião publica tivesse puderes de decisão, o Sócrates já não fazia parte dos vivos.
Abraço

Anónimo disse...

Mas expliquem-me lá uma coisa.

Foi ético, foi moral e politicamente correcto, foi inocente que 3 dias antes de terminar o mandato de um governo de gestão tenha sido autorizada a construção de um Retail Park numa zona protegida?

Independentemente de tudo o que foi especulado o facto que acabei de referir parece-me irrefutável e altamente suspeito (para não dizer mais).

folha seca disse...

Caro anónimo das 00:23

Embora esteja para aqui a fazer o papel de "advogado do diabo" dou-lhe a minha opinião.

Embora o processo Freeport ainda vá fazer correr muita tinta, até porque há 2 arguidos e sabemos que está inquinado desde o principio, imaginemos que foi tudo legal.
Os promotores diga-se investidores investiram o seu dinheiro. Quando se promove um investimento não se pode olhar ao calendário politico, o término de um governo, mais a tomada de posse do outro mais a repreciação dos processos pendentes pode demorar meses. Muitos projectos de investimento ficam perdidos pelo atraso na sua apreciação.
Por isso a questão não se põe da forma que fez... desde que se respeite a legalidade, o que no caso em concreto parece haver duvidas com fundamento.
Cumprimentos

Anónimo disse...

Caro Folha Seca,

O senhor que tanto prega pelos valores na politica não acha muito estranha aquele "timing" na aprovação.

É como o ex-vereador da Camara da Marinha Grande que comprou um apartamento a uma empresa do grupo que negociou o Atrium com o executivo a que pertencia.

Existem principios de prudencia que os politicos sérios não podem prescindir, sob pena de levantarem suspeitas e perderem credibilidade. Podemos concordar ou não, mas a realidade é assim.

Depois dizem que são cabalas. Até podem ser, mas nada fizeram para as evitar.

Quem não quer ser lobo não lhe veste a pele.

folha seca disse...

Caro anónimo das 9:22

Sou tudo menos pregador, limito-me a usar a liberdade conquistada com o 25 de Abril, para dizer o que penso e olhe que nem sempre penso bem, acontece àqueles que não afirmam que "nunca têm duvidas e raramente se enganam".

Agora quando tenho duvidas procuro esclarecê-las e não me tornar uma "vuvuzela" de uma qualquer mentira, quando a mesma é claramente desmentida, como aquela que o meu caro aqui trás, provavelmente por ignorância, partindo do principio de que não é por má fé.
Cumprimentos

Anónimo disse...

Era previsivel que a resposta fosse não fosse muito diferente.

Ou é cabala, ou é ignorancia ou é má fé.

Aliás, neste país nem existe corrupção dado que os implicados (qualquer que seja o partido) têm, além do sistema de justiça, boas "vuvuzelas" na sua defesa.

A corrupção é uma invenção dos ignorantes. Mais são pessoas que normalmente não respeitam o espirito do 25 de Abril.

Mais ainda, até agora nunca ninguém foi condenado.

Anónimo disse...

Concordo em absoluto.A nossa jusiça tal como disse um ex-Presidente da republica só condena os mais pobres.Não venham agora absolver quem já está condenado pelos factos.Ou escondem o quê ?
A corrupção atinge já todos aqueles que não são capazes de ter pensamentos próprios e passam a vida em elogios futeis.tanta epocresia...

A. Constâncio disse...

Ao "anónimo" de 28/7, 9H22 e 23H06.
A calúnia, sob a forma de anonimato, é um acto repugnante.
Fez às 9H22 uma afirmação, em que me atribui a compra de um apartamento à empresa que construiu o Atrium, empresa com a qual, pretensamente, teria negociado em nome da Câmara. Isso é falso. A minha casa em S. Pedro, foi totalmente reconstruida, em 56 m2 de terreno, que me custou 900,00€ o metro e mais 140.000,00€ para a reconstrução, tudo com financiamento bancário da CGD, que estarei a pagar até ter 75 anos de idade.
A empresa a quem comprei a casa velha que teve que ser demolida, chama-se Imonurba e nada tem a ver com a que construiu o Atrium.
Se quizer dar a cara, poderei facultar-lhe vasta documentação que demonstra a falácia das calúnias que se põem a correr, porque quem o faz sabe que essas suspeitas fazem manchetes e vendem jornais e quando se demonstra, mesmo através da Justiça, que tudo era falso, não há um jornal que disso faça notícia, porque o linchamento está feito.
O trabalho sujo fez o seu caminho e quase sempre com êxito.

Flor do Liz disse...

Boa tarde,

Preto no branco, assim é que é.
Não se lançam calúnias, só porque não se gosta das pessoas, todos temos direito ao nosso BOM NOME.
O Sr anónimo se tem coragem, na minha humilde opinião, deveria pedir desculpas, neste espaço ao visado.
Sejam meigos e se possível tolerantes.