.
.

quarta-feira, 24 de outubro de 2007

Revista de Imprensa (actualizada)

Marinha Grande: PS quer eleições intercalares na autarquia depois de retirada da confiança política do PCP ao presidente da Câmara
24 de Outubro de 2007, 13:09

Marinha Grande, Leiria, 24 Out (Lusa) - O PS da Marinha Grande defendeu hoje eleições intercalares para a Câmara Municipal local, considerando faltarem condições políticas para "uma simples substituição do presidente", depois do PCP ter retirado a confiança política a João Barros Duarte, eleito pela CDU.

Em comunicado, os socialistas consideram que "só há um caminho a seguir" para resolver a crise na presidência da Câmara Municipal da Marinha Grande: "Dar novamente a voz ao eleitorado, em eleições intercalares".

"A actual crise que envolve a autarquia é única e exclusivamente da responsabilidade do PCP", acusa o PS da Marinha Grande, apontando como causa "a forma como o PCP pretendeu fazer a substituição do presidente eleito".

Os socialistas defendem que o partido comunista "mentiu ao eleitorado, ao dizer que o presidente eleito faria o mandato completo, quando agora diz que o eleito sabia que somente faria uma parte do mandato".

O PS frisa que sempre defendeu que "o presidente eleito não tinha condições para ser líder de uma nova realidade do desenvolvimento local", mas Barros Duarte "foi eleito pela maioria dos marinhenses e apenas por esse motivo deveria ter sido tratado com maior elevação" pelo PCP.

A crise na autarquia da Marinha Grande teve o seu início quando, a 02 de Outubro, o PCP anunciou em conferência de imprensa o afastamento de João Barros Duarte da presidência da Câmara da Marinha Grande, invocando um acordo prévio entre as partes.

Contudo, Barros Duarte recusou a renúncia de mandato, encontrando-se actualmente de baixa médica e já prometeu voltar às funções quando estiver em condições de saúde.

Terça-feira, o PCP retirou a confiança política ao presidente da Câmara, admitindo a surpresa pela atitude do autarca, a quem acusa "de negação da palavra dada".

A distribuição de mandatos na Câmara da Marinha Grande era, antes da retirada da confiança política a Barros Duarte, de três eleitos da CDU, três do PS e um do PSD.



(surripiado da Lusa)

4 comentários:

Anónimo disse...

Após este comunicado espero que o PS passa das palavras aos actos. Tenham a coragem de entregar os Pelouros!!
E apresentem o Vosso Candidato, JÁ!!
Porque tanta demora??

Pirolito disse...

Tanta demora? Calma lá que ainda a procissão vai no adro.
Apetece perguntar muito ingenuamente a este anónimo: Porquê tanta pressa?
Com essa do “apresentem o Vosso Candidato, JÁ!”, não quererá o anónimo dizer nas entrelinhas: - Vá lá gajada do PS, vocês que são tão bons, que criticam tanto o (meu) PêCêPê, apresentem lá uma alternativazinha ao nosso stor Brita?!
Como alguém dizia algures neste espaço de (saudável) calhandrice, "as cadelas apressadas parem os filhos cegos".
O assunto é sério e tem de ser bem ponderado (!), pois a vida da Marinha Grande já foi, ao longo destes dois últimos anos, demasiado mal tratada para que um partido com a responsabilidade local que tem o PS faça as coisas de uma forma qualquer e apressadamente!
De trapalhadas e confusões estamos todos nós fartíssimos.
Digo eu, claro está...

Anónimo disse...

Estes Suchalistas estão cada vez mais cómicos. 1º queriam eleições se o Barbas renunciasse. Entretanto veio o PSD dizer que não, devia era haver eleições se ele NÃO renunciasse. Então os Suchalistas mudam de opinião e dizem que afinal deve haver eleições se ele ficar (mais uma vez a copiar os outros). Estou mesmo a ver que p'rá semana, se o homem renunciar mesmo, voltam ao principio e pedem eleições na mesma. Isto é que é coerência .

E ainda dizem que defendem a estabilidade.


Não há dúvidas, a MG merece mais e melhor.

Anónimo disse...

Boa anónimo das 11:26
Estes Suchalistas andam a comer queijo de boa qualidade.
Eles querem é tacho!!
Ass.
Gato Fedurolas