.
.

quarta-feira, 3 de outubro de 2007

O que dizem os amigos (na impossibilidade de ouvir o próprio)


João Barros Duarte deixa presidência da Câmara da Marinha Grande

O presidente da Câmara Municipal de Marinha Grande, João Barros Duarte, vai abandonar o cargo, sendo substituído, já a partir de amanhã, pelo seu vice-presidente, Alberto Cascalho. A renúncia de Barros Duarte foi anunciada ontem, pela Comissão Política Concelhia do PCP daquela cidade, numa conferência de imprensa em que o autarca demissionário não esteve presente, alegadamente, por questões pessoais

(...)


“Sai contrariado e magoado", afirma social-democrata Artur Oliveira
O vereador social-democrata Artur Pereira de Oliveira, que ocupa o pelouro das obras públicas, comunicação e transportes, abastecimento público e ambiente, contactado pelo Diário de Leiria, diz que “já estava mais ou menos a contar” com a renúncia de Barros Duarte, “até porque os amigos conversam”.
E “porque os amigos conversam”, Artur Pereira de Oliveira considera que João barros Duarte abandona o cargo à frente do município marinhense “contrariado e talvez até magoado”, porque “há muitos projectos que estavam em curso e em que ele estava empenhado”.
O social-democrata disse ainda estar disponível para trabalhar com Alberto Cascalho, “se se mantiverem os mesmos princípios e empenho em resolver os problemas dos munícipes”.
.
.
(Fonte: Diário de Leiria)

15 comentários:

Anónimo disse...

Pena os "amigos" não terem "conversado" e terem-se ido embora os dois ao mesmo tempo...
Viva à flexibilidade colunar...

super triste disse...

Isto é surrealista. Artur Autocolante, amigo e confidente de João Barbas, já sabia que isto ia acontecer, ou seja, sabia que o partido que suporta a Câmara, o PCP, estava a fazer a cama ao seu Presidente.
Porque conhece as listas, presume-se que sabe que o sr. que se segue é o ultra ortodoxo Sergey Moiteirovsky.
Com estas mexidas, fica o super vereador das obras sem poder "obrar", porque a sua companhia na Câmara é pior que medíocre. Mesmo assim, o homem não se demite, porque acha que tem obra a fazer e , porque não dizê-lo, o ordenadito de vereador vem mesmo a calhar, para melhorar o cálculo da reforma que tarda.
Os "jotas" rebeldes, estarão a dar voltas à cabeça para ver a melhor forma de se livrarem das toneladas de peso que transportam às costas, por viabilizarem um executivo sem liderança, sem credibilidade e infiltrado pelos mais genuinos representantes de um PCP fora do seu tempo.
Se era aceitável argumentar que o PSD acreditava em JBD e por isso se dispôs a por-se de cócoras, agora com aquela equipa das "distritais" da política, como é que vão explicar?
Aimem-se "jotas" e sejam consequentes. Deitem abaixo esta "espécie de magazine" e deixem o povo votar.
É preciso é coragem e coerência.
Tê-la-ão?

Anónimo disse...

coelhinha coelhinha... porque queimas etapas? são tão maus! O desespero toma-vos.

Curioso disse...

Afinal quem é que fala verdade, é o amigo ou o Partido ??

E o amigo, falando assim, pode ficar amigo do Partido ??

E o Partido, amigo do amigo ??

super triste disse...

Coelhinha é comigo?
Vá de retro Satanás!

Brecht à beira do mar disse...

Há aqui tanta gente desesperada... O poder tem destas coisas.
Perderam.
Não ganham a bem querem ganhar de qualquer maneira porque em dois anos nunca se sabe o que pode acontecer.
Daqui a dois anos, além do incerto resultado desta nova gestão (que poderá ser mau, suficiente ou bom, isso o “povo” dirá), talvez lhes tenham já "papado" o poleiro.
É assim a politica. Um jogo, e a avaliar pelas últimas semanas o que importa é fazer sangue. O povo? Que importa o povo?! O que interessa é dificultar a vida à oposição com porcalhices para não levarem a melhor, mesmo que a culpa e a responsabilidade seja também nossa.
Assunto preferido: mercado. Não há mais argumentos, nem há mais oposição a projecto e estratégias algumas. Mercado e agora renúncia de um presidente, e à laia de TVI, transformam uma renúncia e subida ao poder do second in comand numa telenovela melodramática do tipo mexicana da pior espécie.
A política no concelho anda assim, pela rua da amargura.
É por isso que do PS ao PSD, passando pela CDU, precisamos de uma limpeza. Uma limpeza geral com desinfectante. A começar pelas concelhias, cabeças de lista e a acabar nos parasitas que à custa da vassalagem também ganham “tachos”, empregos na própria cambra e noutros serviços do estado para fazerem coisa nenhuma, mas com uma aparente capa de competência e de eficiência, que é bom manter a imagem e a postura.
É por isto que o poder é tão bom.

Anónimo disse...

Este Artur Autocolante é o máximo..
Não há palavras no dicionário para qualificar esta verticalidade.
Teria de recorrer ao dicionário popular...mas de tão vernáculos que seriam os termos que seriam impróprios mesmo pro Largo das Calhandreiras... fico-me por aqui.. que o homem é tão pequeno de caracter que nem merece uma silaba..

Anónimo disse...

O Sergey Moiteirovsky vai mesmo entrar?
Então para que é que o Rei Mudo mandou preparar a quinta?
Olhem que isso não se faz à piquena!

Prof. Martelo de bolso disse...

Esperam-nos 2 anos bem penosos…
Se o bom senso nos leva a pensar em eleições antecipadas, a lógica político-partidária não o deverá permitir. E essa falta de interesse em eleições antecipadas é partilhado pelos 3 partidos com maior expressão eleitoral no nosso município. Senão, vejamos:
O PCP não quererá de modo nenhum sujeitar-se a eleições neste momento. Os motivos são óbvios: O primeiro será o desejo que os próximos 2 anos de gestão autárquica façam esquecer os 2 que já passaram. Em segundo, deseja igualmente que Alberto Cascalho fique mais conhecido dos eleitores para poder vir a ser o cabeça de lista do PCP (que por altura da campanha eleitoral, qual operação de marketing, se passa a chamar CDU) daqui a 2 anos.
Aqui temos 2 problemas: Cascalho e Pedrosa têm sido uma autêntica nulidade até agora e, honestamente, não parecem ter capacidade para mais. O segundo problema, porventura maior que o anterior, é que o “novo” 3º vereador do PCP apresenta como ponto único no seu currículo a “luta” pela suspensão de laboração em diversas fábricas do concelho (e não só), conseguindo o encerramento de muitas delas. Ora, tendo em conta que a laboração na CMMG já está parada há 2 anos, é provável que a sua entrada para o executivo vise mesmo o encerramento da Câmara… e se atendermos à lógica do PCP (“se nós não governamos, mais ninguém pode governar”) quem sabe se o objectivo não é mesmo este?! Até porque, após as próximas eleições, não é provável que voltem a governar o município tão cedo…
Quanto ao PSD, o desejo é igualmente que daqui a 2 anos as pessoas já não se lembrem que foi este partido que viabilizou o actual executivo camarário e que o amigo do amigo que agora saiu era mesmo o cabeça de lista do PSD nas últimas eleições (imaginem como seria se o PSD tivesse conseguido a maioria e este senhor fosse o actual Presidente da Câmara…). A amnésia do eleitor é sempre a salvação do político.
Finalmente, o PS. Acham que o PS quer eleições neste momento? Alguns dirão que sim, mas eu não o creio. Para o PS, quanto mais tempo o actual executivo estiver em funções, maior é a probabilidade de vir a recuperar a Câmara. Para além disso, se as eleições fossem já, o PS até poderia ganhar, mas a verdade é que o PS não tem neste momento um único candidato com possibilidades de conseguir uma maioria absoluta. E perante o actual estado de coisas, caso o PS ganhasse sem essa maioria, como é que poderia fazer passar as suas propostas? Não, os 2 anos que faltam para as próximas eleições é a margem de tempo necessária para encontrar e dar a conhecer esse D. Sebastião, caso ele exista…
O problema é que, com esta conjugação de interesses, quem sai a perder somos todos nós, Marinhenses. Claramente, somos “o elo mais fraco”.

Anónimo disse...

Lei das Autarquias Locais
Lei n.º 169/99, de 18.09
Artigo 57.º
Composição
1 — É presidente da câmara municipal o primeiro candidato da lista mais votada ou, no caso de vacatura do cargo, o que se lhe seguir na respectiva lista.

Artigo 59.º
Alteração da composição da câmara
1 — No caso de morte, renúncia, suspensão ou perda de mandato de algum membro da câmara municipal em efectividade de funções, é chamado a substituí-lo o cidadão imediatamente a seguir na ordem da respectiva lista

marinhense preocupado disse...

O que o "Prof. Martelo de bolso disse..." fez-me pensar o seguinte:

se os partidos politicos nesta terra não têm ninguem capaz de a governar, seria possivel haver uma lista de independentes ?

É um assunto que já ouvi várias vezes falar, e sinceramente gostaria de saber as opiniões tão ponderadas de alguns dos participantes do FLC, como exemplo o Relaxoterapeuta, o Cura, o Zéze, a São Pedrocas, ...

Vá lá levam este assunto a sério e discutam-no com "sentido de estado"

Anónimo disse...

Óh marinhense como seria isso possivel ?!?!?
E as estruturas locais dos partidos o que é que faziam ?
Nem nós nos divertiamos, e ainda alguem criava uma terra desenvolvida.
Deixe estar assim.

Curioso disse...

Alguém me sabe dizer onde é que fica a Maternidade dos Politicos ??

Curioso disse...

É impressão minha ou os participantes neste Blogue estão todos ligados a Partidos ou gostariam de estar ??

Não cheira, digamos que, as frustrações e invejas ??

Anónimo disse...

Olha lá ó curioso. Qual é o teu nº. de militante do ppd/psd?