.
.

terça-feira, 8 de junho de 2010

Férias cá Dentro..

Cavaco Silva apela, ministro torce o nariz

Eu este ano até estava a pensar ir para Cancum (não sei se é asim que se escreve) Mas dado o apelo do Sr. Presidente (e só por isso) acho que me vou ficar pelas Pedras Negras.

6 comentários:

Anónimo disse...

Eu cá por mim, fico no parque de campismo da Inatel, em S. Pedro de Moel.
O que o nosso Presidente, tem que dizer também, é que para fazermos férias em Portugal, não podemos pagar os bens e os serviços, mais caros do que por exemplo, em Espanha, que é aqui lado.

Fê-blue bird disse...

Eu vou sempre para o mesmo sítio...não vá ele mudar de lugar ;)

Pedras Negras, não me parece mal ;-)

Temos que rir para não chorar :-(
Um abraço

folha seca disse...

O Fê

Pedras Negras é uma praínha muito agradavel ali perto de S.Pedro Moel e separada pelo tal rio que não tem foz (o da Canção do José Mario Branco, FMI, esse mesmo) da praia velha.
Tem como grande benefício o não ter betão, tirando a tasquinha ( madeira) do saudoso Manel, onde por sinal se bebem umas boas bojecas e se come uma ameijoa espectacular.
Abraço

Para o caro anónimo, tambem é uma boa escolha.
Cumprimentos

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Há ainda outras razões para não ir para Cancún ( nem para o estrangeiro) como explico lá no CR.

Apartidário disse...

O Sr. Presidente da República esteve muito bem no apelo que fez.
Mostrou que tem consciencia da grave e aflitiva situação das contas externas do nosso país.

Somos o país da Europa com a maior divida externa face ao PIB. Temos de evitar a saída de dinheiro aproveitar para ajudar a economia e as empresas e os trabalhadores portugueses.

Anónimo disse...

Não quero ser deselegante, como o Sr. Ministro também o não foi, mas não preciso que o Sr. Presidente, aproveitando o facto de já estar em campanha, me aconselhe a não ir de férias para o estrangeiro.
Quem é que não fixou o slogan "Vá para fora cá dentro", "Conheça Portugal", "Faça Férias em Portugal", etc.
Foram gastos milhões em campanhas publicitárias para fixar importantes fluxos turísticos no nosso País. Para isso é que temos os Organismos públicos ligados ao Turismo.
Na boca do Presidente da República, esta mensagem pode ter o efeito perverso de desencadear semelhante reacção de políticos dos países emissores de milhões de turistas que nos visitam e que aqui deixam muitos milhões de divisas. Aliás, na sua lição de macro economia, o Sr. Presidente esqueceu-se de dizer que o saldo da balança nos é francamente favorável, na medida em que as divisas entradas superam largamente o que os portugueses gastam no estrangeiro.