.
.

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Portugal a Arder...Porquê?


Antes de me pôr a escrever este post, procurei dentro do possível saber qual o ponto da situação sobre os incêndios, que com maior ou menor intensidade se desenvolvem no nosso país. Pelo que me foi dado ler, a situação tende a abrandar e esperemos que rapidamente esteja completamente controlada.
O não ter escrito nada até agora deveu-se a um lema que me serve de orientação pessoal:” não pôr achas na fogueira”.
Entre várias coisas que fiz na vida, profissionalmente e voluntáriamente, também fui bombeiro voluntário.

A Matéria combustível não deve ter aumentado muito desde então. Os meios postos à disposição dos bombeiros aumentaram substâncialmente, como exemplo refiro, que na altura, meios aéreos eram pura ficção.

O voluntarismo dos bombeiros doutros tempos não têm nada a ver com os bombeiros voluntários de agora, onde existe uma se-mi profissionalização.
Então o porquê de um aumento tão grande de incêndios e uma cada vez maior dificuldade em os dominar, quando sabemos que nas ultimas décadas ouve um grande reforço em meios humanos e materiais para debelar os mesmos, com a maior rapidez possível e a menor existência de danos .
Será que a resposta é pura e simplesmente a de que tudo isto se deve a um aumento exponencial de pirómanos? Sim porque o atirar a responsabilidade para os madeireiros e os que estavam contra os governos, já não pega.
Poucas vezes me atrevi a escrever um post, com tantas duvidas como este. A única certeza que tenho é que Portugal continua a arder. Que os meios de ano para ano são aumentados. Será que a criação de uma autêntica “industria” de combate ao fogo, com imensos meios humanos, materiais e ocasionais (isto no recurso aos alugueres de meios de combate) não potencia certas ocorrências?
Sei que não estou a contribuir muito para a resolução deste grave problema, admito até que estou a especular. Até conheço muitas das teorias que por aí se vão debitando, sobre as causas. Mas desculpem também tenho muitas dúvidas e aqui deixo algumas.

No entanto Sería indesculpável não deixar aqui um palavra de solidariedade às vitimas deste repetido flajelo quer em meios materiais, mas sobretudo à vítimas Humanas, perante as quais me curvo.
Nota: Estão disponíveis na Internet, grande numero de imagens com que poderia ilustrar este texto. Escolhi, uma apenas simbólica, porque penso que a profusão de imagens dantescas, como se faz habitualmente nos média, potência o desenvolvimento de atitudes de demência (vulgo piromania)

1 comentário:

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Gostava de encontrar respostas para as suas questões,mas também não as tenho.
Congratulo-o por este post que é também uma justa homenagem aos bombeiros.