.
.

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

A CONVOCATÓRIA



Gaivotas em terra, é porque a coisa no mar está brava, bravíssima mesmo, ou como diria o capitão Tomás: “vá lá baby, descontraia… descontraia que não dói nada… isso…isso!…”. O país ainda não encalhou, mas adivinha-se que mais palmo menos dedo a quilha vá roçar em terra firme e lance borda fora os incréus – é o que dá tratar uma angina de peito e mais a obesidade mórbida e os cabrões dos diabetes com clisteres e enxúndia de galinha. Afinal até as milagrosas pílulas do Portugal Tecnológico e dos PIN’s se mostraram impotentes face às derrapagens, às guinadas, aos vícios e à falta de perícia dos soberbos timoneiros e pilotos de cabotagem que temos tirado à sorte em rifas de vinte e cinco cêntimos cada – comprem, comprem, meninos comprem, que sai sempre prémio! E tem saído! A merda é que estamos todos no mesmo barco, não há balsas salva-vidas e o farol que aponta o caminho não é de fiar – “querem salvar-se, seus incompetentes? Aumentem o dízimo e cortem na fruta, palermas esbanjadores!” – prescrevem os FMI’s, os OCDE’s e outros proto-necrófagos, os mesmos que não previram a crise, os mesmos que do alto da torre fazem dúbios sinais de luzes à navegação, sempre que esta se aproxima perigosamente da rebentação.
O país presta-se assim a bater no fundo, enquanto mete água a rodos na casa das máquinas. Não, não me refiro aos mais recentes arrufos de pombinhos nem aos resmungos que de quando em vez, e vice-versa, o engenheiro piloto tem com o doutor imediato, um morenaço alto e lustroso que dança o tango a uma só perna. Nem me refiro ao facto de pela enésima vez terem chamado mentiroso ao piloto, sem que o dito se tenha sentido ofendido e tenha tido a postura que se impõe a um Homem de Estado com tomates. Não, não é isso. Refiro-me ao facto do imaculado e bondoso (e previdente e apaziguador e anjo da guarda e tudo e tudo…) presidente Sr. Silva me ter convocado a Belém, para escutar as minhas impressões sobre o estado do tempo. E olhem que para me convocar, é porque a coisa está mesmo bera. Bem, pelo menos fez o que os santos da casa não fazem, quis-me escutar. Mas isso são outros quinhentos e de genéricos está o inferno cheio…
À convocatória responderei com o melhor que sei e posso. Garanto-vos que lhe direi das boas e das más, das queixas e das culpas, sereno no discurso, mas firme nas convicções. Mas firme, sempre firme que nem um penico.
Dir-lhe-ei que, em primeiro lugar, urge mudar a mentalidade politiqueira e soberba dos que se passeiam entre São Bento e Belém, entre o Rato e a Lapa, entre o Caldas e a Soeiro, entre as capelinhas. Afinal o que é que mudou desde os tempos em que o Eça e o Ramalho zurziam de forma cirúrgica sobre essa casta inundada de insuficientes? Nada! Mesmo nada! Ante a responsabilidade de uma das mais nobre funções civilizacionais – a Política - a postura é a mesma, os vícios são os mesmos, a manjedoura é a mesma, as moscas são as mesmas. E já passaram mais de cem anos...
Dir-lhe-ei que a educação é o mais precioso bem que qualquer geração pode dar aos seus filhos, que a sabedoria é inimiga das “competências”, que as novas oportunidades não devem servir para fazer crescer as percentagens das cabeças brilhantes com orelha de burro e diploma na mão, que são despejadas aos magotes no desemprego e na ilusão de um futuro melhor, que os Magalhães não curam a iliteracia nem substituem o pensamento, e por aí adiante. Ajudar uma criança a aprender a pensar é a mais importante e urgente tarefa que o país tem pela frente, sobretudo se tivermos em conta o tempo desperdiçado e a falta de sensibilidade para entender o óvbio.
Dir-lhe-ei que a justiça não pode ser o divã em que se debocham os abastados e influentes e a espada de Dâmocles sobre a cabeça dos desventurados e indulgentes. A justiça pode ser cega mas não pode ser zarolha, a justiça não pode ter um tempo insuportável nem arrastar a democracia para a lama da inimputabilidade.
Dir-lhe-ei que a economia e as finanças não são um fim mas um meio, que a mais irónica das verdades é que aqueles que defendem a ausência de regras e de regulação são os primeiros a viver à sombra do Estado faustoso e sem critério. Desde a sucata aos doutos pareceres, tudo serve.
Dir-lhe-ei que este país tem um povo inconstante, inconsequente, cansado, amorfo, espertinho, desenrascadinho, sabichão, a começar por mim. E isso não é culpa do vento nem da chuva, é culpa da sopa e do sofá. Porque só no dia em que cada um de nós vir o fundo à panela ou perceber que o Euromilhões ou que o Sr. Malato nunca irão inundar a nossa insignificante existência com os euros da felicidade com que nos bombardeiam os cinco sentidos, é que perceberemos de uma vez por todas que o futuro se constrói e conquista com sangue, suor e… cunhas. C’uma porra, isto até nem me estava a correr nada mal… ou como diria o Capitão Tomás: “pronto baby, está toda lá dentro!
E viva Portugal!

19 comentários:

ZÉ MERDA disse...

Este relaxado devia era de mudar de nome para PALHAÇO...!!!

Anónimo disse...

Ó Zé Cócó, é pá isso seria um insulto aos palhaços, ah, ah, ah

ai ai disse...

Bem!

Já tinha saudades de ler um dos sempres excelentes textos do Relaxoterapeuta. Claro que a grande quantidade de assuntos que mete e a forma muito própria como as trata, a mim que não sou lá muito letrado, obriga-me sempre a ler duas vezes, deliciando-me com a forma erudita com que o autor trata as coisas do quaotidiano e se havia dias em que aquele post se justificava, era ontem.
Parabens relaxoterapeuta ( e já agora, apareça mais vezes) Faça de conta que está em sua casa.

Fê-blue bird disse...

Ora aqui está um texto que eu gostava de ter assinado.
Confesso que não sou adepta do uso de "palavrões" na escrita, mas há momentos em que eles são bem aplicados e oportunos.
Parabéns por ter " aquecido" esta minha manhã, e já agora.
FORÇA!


Bjos

Isa GT disse...

Num texto assim, nem é preciso acrescentar nada, mas, mesmo que pague o justo pelo pecador, este
"povo inconstante, inconsequente, cansado, amorfo, espertinho, desenrascadinho, sabichão"
acaba por ter aquilo que merece ;)

Bjos

FLor do Liz disse...

Boa tarde,

Quero cumprimentar o Sr Relaxaterapeuta pelo seu regresso e, aos seus detractores peço que faça orelhas moucas.
Mais uma vez, como sempre, um excelente texto .

Muito boa tarde e bem haja.

Teófilo Silva disse...

folha seca.
Não sabia que já tinha postado esta canção no seu Blog e com o título: Utopias...
A ideia de postar esta música, surgiu-me ao visitar o blog em baixo, de José Sousa.
Se tivesse visto este post no seu blog não a tinha colocado no meu.
Mas fez bem em me alertar, pois isso deu azo a visitar este seu espaço, que adorei e vou colocar na na minha lista de blogs.

www.congulolundo.blogspot.com

relaxado = palhaço disse...

blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá blá o car****...!!!

CAMARA DIGITAL 2010 disse...

Só mesmo de um palhaço...

Anónimo disse...

Eu se fosse ao Relaxoterapeuta não tolerava mais insultos e recusava-me a escrever mais uma linha que fosse neste belogue.
Relaxoterapeuta: estou consigo, esta gajada não o merece.

Anónimo disse...

Sr. Relaxoterapeuta por favor não deixe de enviar as suas pérolas. De certeza absoluta que tal como eu muitos "calhandreiros" deste largo gostam dos seus textos. Só os "porcos" não sabem distinguir as pérolas!

folha seca disse...

Meus Caros
Não é muito habitual um membro da comissão de moradores aparecer aqui em defesa de outro.
Mas vamos pôr as coisa no sitio.
Muito antes de imaginar vir a integrar esta comissão, ou mesmo ser opinador convidado, já me deleitava com os textos do nosso relaxoterapeuta, sempre certeiros e abrangentes. é evidente que alguem se deve ter sentido mal com algum dos posts. Mas se não sabem eu explico: O relaxoterapeuta Ou qualquer outro dos administradores do blogue, a um simples toque do rato podia mandar para o lixo os comentários cobardes e maliciosos que aqui e noutros posts vão aparecendo, só não o faz pela sua superioridade moral, aliás como é obvio na qualidade dos seus textos.
Peço perdão por vir aqui em defesa, mas sou daqueles que acha que quem não se sente...

P.S. Acreditem que não sei quem é o Relaxoterapeuta e até gostava muito de saber, mas faz parte...

Flor do Liz disse...

Boa noite,

Eu já acompanhava os excelentes artigos do Sr Relaxaterapeuta, no Jornal da Marinha Grande e, passei, também, a segui-lo aqui no blog, há algum tempo cruzei-me com ele na rua e tomei a liberdade de me apresentar e felicitei-o pelos seus excelentes artigos, manifestei-lhe a minha inquietação pela sua ausência, mas tranquilizou-me dizendo que andava ocupado e logo que pudesse apareceria e cá o temos, novamente, com o seu peculiar estilo e,espero que seja por muito tempo, para deleite dos muitos que apreciam a sua escrita, quem não gosta, paciência, que não leia.

Boa noite e um bom fim de semana.

Apartidário disse...

Caro Relaxoterapeuta,

Não se deixe desmotivar por alguns bitaites intolerantes e malcriados (mais concretamente, merdosos).

Nem sempre partilho das relexões mas aprecio a capacidade que tem de nos envolver nos seus textos.
Para sermos livres é importante ler e ouvir os outros, tentar perceber as suas motivações e respeitar as suas convicções.

Cá o esperamos.

Anónimo disse...

Os meus respeitosos cumprimentos e parabéns ao Dr. Sérgio Bento. Não sabia que era ele que escrevia estes magníficos textos embora pelo nome desse para desconfiar.

Liga dos Amigos do Dr. Sérgio Bento disse...

Sérgio Bento alivia os seus doentes com a terapia de relaxamento, uma técnica terapêutica em que se diplomou na Faculdade Livre de Medicinas Naturais de Paris. As suas mãos são a sua medicina e com elas cura, entre outros, enxaquecas, tendinites, dores ciáticas, stress e problemas de coluna. Uma dor fantasma após uma mutilação de um braço e uma menina de quatro anos que recuperou o andar com dois tratamentos depois de já ter passado por dois hospitais, são casos que ocasionalmente revela. O que faz, segundo as suas próprias palavras, é “drenagem linfática”, a partir da pressão sobre os músculos, os tendões e os nervos periféricos. Considera que a maior parte do mal-estar que afecta tantas pessoas é provocadas pelo “mau viver”, conceito que, segundo ele, engloba tanto as posturas erradas, a falta de exercício físico, a má alimentação e até fazer um trabalho de que não se gosta. O que pensa da disputa entre a medicina convencional e as terapias alternativas resume-se numa frase: “Não há uma medicina, há medicinas e todas as medicinas do mundo não são suficientes para curar os males do mundo”.

Provedor do calhandreiro disse...

Sem duvida que os textos do Relaxoterapeuta e sem desfazer em nenhum dos outros colaboradores do "Largo" e ao seu estilo muito próprio é do melhor que por aqui aparece, só pecando pela pouca assiduidade.
Sem duvida que tambem o Dr. Sérgio Bento, para além das suas capacidades profissionais é portador duma excelente capacidade intelectual, que já vem de longe.
Mas parece que há aqui um equívoco.
Não são uma e outra a mesma pessoa. Há certamente uma confusão com um nickname e uma profissão. Parece que seria util, alguem esclarecer! É que calhandrice que não se esclarece pode levar a situações esquisitas.

Anónimo disse...

Ó Provedor do Calhandreiro,
como é que o Sr. Provedor pode afirmar que "não são uma e outra a mesma pessoa"? Tendo em conta o que é afirmado pela Dona Flor do Liz o próprio admite ser ele mesmo:

"Eu já acompanhava os excelentes artigos do Sr Relaxaterapeuta, no Jornal da Marinha Grande e, passei, também, a segui-lo aqui no blog, há algum tempo cruzei-me com ele na rua e tomei a liberdade de me apresentar e felicitei-o pelos seus excelentes artigos, manifestei-lhe a minha inquietação pela sua ausência, mas tranquilizou-me dizendo que andava ocupado e logo que pudesse apareceria e cá o temos, novamente, com o seu peculiar estilo e,espero que seja por muito tempo, para deleite dos muitos que apreciam a sua escrita, quem não gosta, paciência, que não leia."

FLor do Liz disse...

Boa tarde,

Tanta discussão á volta de textos e de uma pessoa, alguém faz o favor de explicar qual é o problema.
Desculpem, mas é crime escrever?. É crime usar um nome?. Temos que pedir autorização, os textos têm que ir a censura prévia dos comentadores?. Onde está a LIBERDADE DE EXPRESSÃO?.

Este meu comentário, um pouco indignado, não é para a Comissão de Moradores, mas sim para alguns comentadores.