.
.

domingo, 12 de setembro de 2010

"O que faz falta é animar a Malta"

Voltando à velha lição que ouvi no (Som) Sport Operário Marinhense “de que um dia quem não souber utilizar a informática pelo menos em termos de utilizador “será um analfabeto“ , procurei dentro do possível e tempo disponível perceber esta coisa da blogosfera. Confesso que foi pela mão de um amigo que hoje figura na lista de opinadores convidados que conheci o “Largo das Calhandreiras”. Confesso também que foi aqui que me atrevi a mandar os primeiros bitaites. Confesso ainda, também que usei o anonimato e que até a coberto do mesmo possa ter escrito coisas que se tivesse que me identificar, se calhar seria mais comedido. Mas há uma coisa que sei, Nada do que disse ou escrevi me pesa na consciência e provavelmente faria hoje o mesmo se os dados fossem os mesmos.
Se me escondo por trás de uma “folha seca” não o faço por qualquer acto de cobardia, aliás no meu perfil há um acesso ao meu mail e a quem interessar disponibilizarei a minha identidade.

Esta conversa tem um objectivo. O Largo das Calhandreiras é um blogue com uma visibilidade local significativa. Mas parece-me que já ultrapassou há muito as fronteiras da nossa terra. Nos seguidores e comentadores encontramos gente que ultrapassa as nossas limitadas fronteiras territoriais.

Mas a riqueza deste blogue tem um carácter. É um blogue colectivo. É essa a característica que o distingue. Se perder estes predicados perde a sua essência e deixa de fazer sentido…. Não há uma boa calhandrice se não for partilhada. Penso até que não é possível calhandrar seja o que for se não houver a devida audiência. Por mim que assumi a ideia de que este espaço era a continuação de uma das "mais apreciadas, saudáveis e seculares tradições do povo desta terra" vou continuar, a não ser que me venha a sentir como o barbeiro , que a determinada altura, se vira para o espelho (à falta de audiência) e diz “e tu também és um bom sacana”.

6 comentários:

Rogério Pereira disse...

Desde uma história da minha primária que aprendi que um colectivo vale mais que cada um dos sete vimes que lhe dá força...Espero que o Largo, seja a prova da "Parábola dos Sete Vimes",

Abraço

Luís Coelho disse...

A informática é um caminho onde mesmo sem querer todos entramos.
Ainda que distraídos ou contrafeitos mas ainda assim vamos absorvendo e abrindo os nossos horizontes.
Mais novos ou mais velhos cada um caminha desejando abraçar estas novas tecnologias.

Blogues para mim são partilha e onde cada um poderá participar comentando e construindo com mais informação.

Parece-me que os comentários são incentivos para se fazer mais e melhor sem nos tornarmos cansativos.

Fê-blue bird disse...

Adoro fazer parte dos comentadores desta calhandrice, tanto que já me considero uma calhandreira do pior :))
Tinha tantas saudades destas partilhas de opiniões e afectos, porque para mim a blogosfera é isto.

Continuem pois a calhandrar e a animar a malta!

Beijinhos

folha seca disse...

Caro Rogério

Tão simples como isso.Quantas vezes nos esquecemos do que aprendemos na Primária, que são autênticos tratados de filosofia. Esta pequena "parábola" dos 7 vimes é uma delas, fez muito bem em recordá-la
Abraço

folha seca disse...

Caro Luis Coelho

Concordo consigo em absoluto.
Na verdade nós que nascemos quando os computadores ainda não estavam inventados ou eram apenas ficção, tivemos que aprender a trabalhar com estas coisas. No meu caso foi por necessidade profissional.
Nos blogues que frequento há uma Predominância de autores e participantes com idades assim para o entradote, nota-se pela sabedoria de vida e experiências como aquela que o caro Luis contou.
Abraço

folha seca disse...

Cara Fê

Já tinha saudades de a ver por cá.

Claro que há muita calhandrice para pôr em dia. Mas isto depois de umas férias tão grandes, entorpece o pessoal. Claro que isto é inveja, porque só pude tirar uma semanita.
Abraço