.
.

domingo, 30 de maio de 2010

Porque é Domingo



Surripiado ao Osvaldo Castro no blogue " A Carta a Garcia"

5 comentários:

Rogério Pereira disse...

Saudades disso...
Saudades!
Saudades dessa guitarra e dessa voz...

Abraço

Fê-blue bird disse...

Um poema que faz novamente todo o sentido!
Carlos Paredes que saudades!
Parabéns pela escolha.
Um abraço

Anónimo disse...

É preciso um País todos os dias seja ou não domingo.
Um País que retome os ideais de Abril.Um País com outras politicas,económicas e sociais.
Um País e um governo capaz de entender que o rumo certo está na riqueza do nosso povo e na sua capacidade de luta e resistência,tal aconteceu no passado Sabado nas ruas de Lisboa.
Um País onde as politicas e os politicos sejam coerentes consigo mesmo,com o seu passado,e saibam entender que não se pode estar hoje de acordo com as politicas neoliberais do Governo de José Socrates e amanhã numa de esquerda a pugnar por um Portugal diferente.
E o compromisso tem de ser de uma autêntica rutura com esta politica,sem hesitações.
Por isso é preciso um País...

Apartidário disse...

Não tenho dúvidas que Manuel Alegre é um poeta contemporâneo de referência.

Agora para Presidente da República ...

O Manuel Alegre está muito distante da realidade económica e social do país. Ñós estamos em 2010 e ele ficou em 1975.
Nunca conseguirá entender o que se está a passar, porque se está a passar (ele também tem grandes responsabilidades) e sobretudo as soluções de rotura que o país precisa.

Cada qual naquilo para que tem talento e acima de tudo naquilo que sabe.

Tem a virtude de ter consguido encurralar a direcção do PS.

folha seca disse...

Caro Apartidário

É evidente que no dia em que publiquei este post e a referência que fiz em rodapé, não foi inocente. Como já lhe disse uma vez, eu também sou apartidário (já tive noutros tempos a minha dose) agora ser apartidário não significa que não se tome partido. Eu tomo e claramente, mais uma vez o fiz. Não tenho a mesma concepção que o meu caro tem em relação aos titulares dos orgãos de soberania.
Um Presidente da Republica até pode ser um ex-metalurgico e não ostentar grandes diplomas. Mas tem que perceber uma coisa: "a maior riqueza dum País é o seu povo" se perceber isto, pode ser poeta, licenciado em economia,medicina, gestão e em muitas outras coisas.
Mas sou daqueles que acredita que antes de mais é preciso perceber o seu País, o seu Povo e sobretudo perceber os recursos e o abandono a que têm sido vetados e perceber que a Soberania dum País não se troca por umas "lindas" recepções quando somos recebidos de mão estendida. Sou daqueles que acredita que não precisamos disso.
Como sempre, os meus cumprimentos e o respeito pela sua opinião.