.
.

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Não é por nada, mas não se "confiscam" assim as ferramentas a quem quer trabalhar

9 comentários:

Cigano Rico disse...

Seja do ps, do psd, do bloco, do cds ou do pcp, é vergonhoso que tais senhores multi -iluminados, sejam escolhidos, para fazerem parte de listas (supostamente integras e limpas) e depois representem cidadãos em tão ilustre e nobre AR. É mais uma pedrada na democracia, mais uma vergonha para o estado de direito, mais uma machadada na suposta liberdade.

Não é pelo acto de roubar os gravadores, que fico irritado, mas sim, o ar importante, cândido, pomposo, a forma até ignorante de estar e o pior de tudo: a configuração irónica e maliciosa como se refere aos tribunais, não falando dos esquemas.
Mais um triste, que é suportado pelos nossos impostos e nada mais acrescenta.
Nem o meu avô que também foi cigano, tinha tanta lata, para surripiar relógios no eléctrico.

Antes cigano do que deputado ladrão.

E eu, é que sou cigano.

ai ai disse...

Nunca estive tanto de acordo com um cigano desde que ouvi pela primeira vez os gipsy kings, que me fizeram recordar o meu convivio de criança com os ciganos que acampavam ali para os lados do Pinhal da Feira.
Para alem de subscrever o que disse o "Cigano Rico" queria acrescentar o seguinte:
Este deputado para alem de ser vice presidente da bancada socialista, presumo que é ainda membro da comissão de inquérito ao caso PT/TVI. Que consequências tirará o PS deste lamentável episódio. Será que o ministro que fez uns corninhos, terá cometido um acto tão reprovável? Esse pelo menos retratou-se.
Veremos!

ai ai disse...

Retirado do Portugal Diário.

O líder parlamentar do PS, Francisco Assis, reiterou a sua «solidariedade e respeito» para com o vice-presidente da bancada socialista Ricardo Rodrigues, garantindo que conta com o deputado, tal como «o partido e o país».

O deputado do Partido Socialista foi acusado pela revista «Sábado» de ter furtado dois gravadores a jornalistas por não ter gostado das perguntas dos entrevistadores.

«Reitero a minha solidariedade, o meu respeito e a minha consideração para com o doutor Ricardo Rodrigues, que nunca estiveram em causa a propósito deste incidente», afirmou Francisco Assis, no final de uma reunião do grupo parlamentar do PS.

Para o líder da bancada socialista, Ricardo Rodrigues «é um dos grandes deputados» do PS e da Assembleia da República, «um homem de uma grande frontalidade, que em muito tem contribuído para a afirmação do PS no plano parlamentar».

«Conto com ele, o partido conta com ele e o país conta com ele, porque é um homem de craveira e de qualidade e o Parlamento não pode estar assim a prescindir de figuras com esta qualidade», sublinhou.

Sobre a atitude do deputado socialista, Assis disse compreender a «reacção de indignação», referindo que Ricardo Rodrigues «estava a ser sujeito a um interrogatório no limite daquilo que é razoável».

«As pessoas estão para além daqueles actos momentâneos, dominados por ira momentânea», disse, escusando-se a comentar se o vice-presidente da bancada socialista deve pedir desculpas, afirmando não querer responder por Ricardo Rodrigues.

Comentário: De certeza que Francisco Assis, não disse o que pensa, mas o que a sua responsabilidade como Presidente do grupo parlamentar, obriga para com um dos seus vices.
É com este tipo de "solidariedades" que o PS vai caminhando para o abismo. O que é pena, pois há no PS muita gente séria que pelo seu "estranho" silêncio acaba por ser "misturada" com esta espécie de "gente", o que leva a cada vez menos eleitores se revêrem no projecto socialista.
Veja-se a ultima sondagem.

ai ai disse...

Retirado da Antena 1

Sindicato dos Jornalistas classifica atitude de Ricardo Rodrigues como “inaceitável e condenável”
O presidente do Sindicato dos Jornalistas considera que a atitude do vice-presidente da bancada parlamentar do PS Ricardo Rodrigues é condenável e inaceitável. Ricardo Rodrigues ficou com dois gravadores dos jornalistas da revista Sábado durante uma entrevista e interpôs uma providência cautelar a que anexou os gravadores. Alfredo Maia afirma que esta situação é grave, tendo em conta que os gravadores são instrumentos de trabalho que podem conter material protegido pelo sigilo profissional dos jornalistas.
2010-05-06 00:24:21

Anónimo disse...

Eu que não percebo muito de legislação, entendo que este gesto do deputado não pode nem deve ser defendido por ninguém. Se ele aceitou a entrevista, também a qualquer momento lhe assistia a liberdade de não responder, e nunca roubar as ferramentas de trabalho aos jornalistas.
Eu não quero imaginar o que será no futuro se este senhor não for de alguma forma condenado por este acto irreflectido.

Anónimo disse...

Esta atitude caracteriza este PS,arrogante e auto-convencido de que pode fazer tudo,inclusivé humilhar os outros,quando as coisas não lhe estam a correr ao jeito.
Foi isto que fizeram sempre e particularmente neste reinado de Socrates.
Esta forma de tratar a imprensa vem na linha do ataque à TVI e aos jornalistas que não faziam o frete ao PS e que era necessário afastá-los,como veio a acontecer.
É a ditadura deste PS neoliberal,que vai acabar em degradação lenta,levando consigo também o País para um beco sem saida.
Nem o facto de perderem a maioria absoluta os leva a reconsiderar as posições propotentes como esta do deputado.
Que vergonha,para quem é sério e faz da politica um compromisso ético e nobre.

Rogério Pereira disse...

Sou incapaz de avaliar os actos dos outros sem me colocar no seu lugar:
1º Usando de alguma liberdade que nos é permitida, eu nunca teria concedido uma entrevista a uma revista que considero infestada de informação golpista;
2º Se, por qq razão tivesse cometido tal deslize, talvez me tivesse passado dos carretos...
3º Se me considerasse larápio, escolheria a personagem do Robin dos Bosques, roubar-lhes-ia a carteira...profissional.

folha seca disse...

Segundo algumas notícias publicadas, o grupo parlamentar do PS está solidário com Ricardo Rodrigues, parece até que foi aplaudido e desencadeou uma onda de solidariedade, para com o Deputado.
Ora bem. Quando publiquei este post, limitei-me a trazer para aqui um assunto que me pareceu ir fazer correr muita tinta e suscitar muita discussão. Não usando a minha porrogativa de "opinador". Coisa que já não me apetece fazer porque já se mexeu demais na m....
Apenas quero manifestar a minha tristeza ao ver atitudes deste tipo, serem avalizadas (e pelos vistos aplaudidadas) pelo grupo parlamentar que ajudei a eleger.
Por aqui me fico.

Cigano Rico e envergonhado disse...

Pensava eu que o dito senhor fazia um pedido de desculpas formal, à revista, aos jornalistas roubados, aos portugueses e depois tchau, tchau. Nada disso, o Exmo. Sr. Dr. Gamador de gravadores, ainda foi aplaudido por mais uns quantos inimputáveis (pensaram eles), mais um triste episódio na casa da Democracia.
Os ignorantes que se julgam também inimputáveis e que o aplaudiram, como vão fazer quando lhes gamarem alguma coisa?
Começo a ficar farto de tanta “violência psicológica insuportável” a que sou sujeito diariamente, e não devo ser caso único.
Agora sim, se antes prendiam os polícias e soltavam os ladrões, agora vamos ver os polícias a bater palmas aos surripia dores.
O crime compensa, devido à grande violência psicológica insuportável, em vez de uma viagem só com ida para Cuba, foi agraciado, e no day after, chega… a conselheiro.
O melhor é o meu primo que está de férias em Alcoentre (andava a ficar com relógios, pulseiras, ipod e PC de jornalistas) entrar com um processo contra o estado, por prisão indevida.
Isto de ser Cigano, começa a ser embaraçoso, já qualquer Dr. anda por ai a palmar a torto e a direito.

Fousgasse!