.
.

segunda-feira, 13 de abril de 2009

Revista de Imprensa

"Politécnico de Leiria quer aproximar ciência das empresas"

O Instituto Politécnico de Leiria (IPL) vai transferir até ao final do mês a unidade de investigação Centro para o Desenvolvimento Rápido e Sustentado de Produto para o Centro Empresarial da Marinha Grande.
Esta mudança é objecto de um contrato a assinar no final do dia de hoje entre o IPL e a Câmara Municipal da Marinha Grande, cerimónia na qual vai ser também feita a escritura que dará ao estabelecimento de ensino o direito de superfície de um terreno no qual vai ser construído um edifício de raiz para a instalação do centro.
À agência Lusa, o presidente do Politécnico de Leiria, Luciano de Almeida, explicou existirem duas razões – «uma de filosofia e outra de meios» – que determinam a transferência do centro.
«É importante que esta unidade de investigação ocupe o mesmo espaço que empresas e que haja uma relação de proximidade entre a ciência e quem a valoriza economicamente», afirmou Luciano de Almeida.
Por outro lado, o presidente do Politécnico de Leiria sublinhou que «a expansão da actividade do centro impõe ou exige a necessidade de instalações de maior dimensão, que o Centro Empresarial da Marinha Grande dispõe».
O responsável acrescentou que a mudança do Centro para o Desenvolvimento Rápido e Sustentado de Produto (CDRsp), onde actualmente cem alunos fazem investigação no âmbito de cursos de mestrado, permite, ainda, «a afectação do espaço que vai ser libertado para outras unidades».
Luciano de Almeida destacou igualmente que as unidades de investigação «são uma frente muito, muito importante» do Instituto Politécnico de Leiria, adiantando que na passada semana terminou a fase de candidatura interna a um programa de apoio à investigação no valor de 1,3 milhões de euros.
Já o presidente da Câmara Municipal da Marinha Grande, Alberto Cascalho, regozijou-se com esta transferência, apontando as «mais-valias» que o centro trará para o concelho e região.
«Temos instaladas no concelho empresas, sobretudo do sector de moldes, que lideram em termos tecnológicos o que há de melhor a nível mundial e fortemente implantadas no mercado externo», referiu Alberto Cascalho.
O autarca apontou ainda a existência do Centro Tecnológico da Indústria de Moldes, Ferramentas Especiais e Plásticos e um incubadora de empresas, acreditando que a presença do CDRsp vai «potenciar recursos e novas sinergias que aumentem a competitividade do tecido económico».
O CDRsp tem como objectivo contribuir para o desenvolvimento científico e tecnológico, conduzindo a produtos, materiais e processos mais adequados, efectivos e eficientes, revela a página na Internet do IPL.
Ao mesmo tempo quer contribuir para a geração de valor acrescentado à indústria e promover na sociedade a consciência da importância e do papel do desenvolvimento rápido e sustentado de produto.



(surripiado do Diário Digital)

23 comentários:

anarcabe disse...

Será bom para o Concelho e Será bom para a industria.

Não esquecer no entanto, que o IPL tem expectativas bem fundadas para passar a funcionar como... Fundação. Aí e só aí é que ela impeça, ela a transacção para a Marinha Grande. Ou seja, vai a CMMG doar uma coisa, a uma instituição que daqui a nada é privada.

Desta forma não, não concordo.

anarcabe disse...

Já agora, como obrigatoriamente todas as faculdades têm que ter professores doutorados, andaram vários a fazerem-se doutores nas universidades da raia, era mais barato e mais depressa.

Diz-se por aqui, que também há desses a candidato a...

Anónimo disse...

Já reparou que está a falar sozinho?

anarcabe disse...

Não, não estou, agora tenho um anónimo a ler-me e a dar-me razão.

O que eu gosto de anónimos.

Acintoso disse...

Pelo pouco que o Anarcabe disse, facilmente cheguei à conclusão que está a dizer algo de cor! Isto é, ouviu falar umas coisas sobre o assunto, mas daí a saber do que verdadeiramente se trata vai uma distância como da Terra à Lua!
Logo, dá-me cá a ideia que seria melhor se fosse mais comedido nos comentários...

anarcabe disse...

Caro Acintoso, o que digo não é mentira, nunca.

Como não li a dizer algo de concreto sobre o assunto, tenho de pressupor, que o que sabe sobre o IPL é nada de nada.

Se foi para me contradizer, está muito curto, está a deduzir muito facilmente curto.

Serei comedido, mas não nos comentários, a censura não lhe cabe a si, penso eu, se couber disponha.

Além de mais, não lhe vejo capacidades de intervenção em relação à minha pessoa.

Anónimo disse...

Amem... Anarcabe!!!

anarcames disse...

O IPL não virá ocupar um espaço que (naturalmente) é do Centimfe? Não "estaremos" a duplicar competências na mesma área em vez de complementaridade? Eu percebo que em termos políticos a "saída encontrada" pela câmara para resolver o problema do centro empresarial, é airosa. É bom que o IPL e todos os centros de investigação ou de saber se aproximem da realidade empresarial. Ficam no entanto as minhas inquietações em relação ao futuro do Centimfe...

anarcabe disse...

Não são só suas as preocupações, acredite.

Ti Nini disse...

A complementaridade em cooperação, ou mesmo a concorrência, praticadas com ética e responsabilidade social, só podem ser benéficas. Aliás, deveriam até ser estimuladas!
Este pode ser um passo para o futuro, uma das tais portas de saída. É bom que por aqui se instale toda a massa critica que for possível e se incentive a competitividade, sem proteccionismos nem coutadas. Ao mesmo tempo, demonstrem-se as potencialidades e facilitem-se os canais de envolvimento entre as empresas e escola. Seguramente que a nossa região não tardará a colher os frutos desse investimento.

PS.: Não tenho grande crença nestes nossos eleitos, mas quando, por tão poucas vezes, está bem, não se bata no ceguinho!

anarcabe disse...

Ainda sobre o assunto, acho que "a pressa é inimiga da perfeição".

O tempo que demoraram a tornar realidade este assunto, é inversamente proporcional ao demonstrado para resolver o problema do Centro Empresarial.

Dirão - somos presos por ter cão e por não ter - pode ser, mas sobre isto tenho algumas... certezas e com a passagem a fundação...

Acintoso disse...

Ao Anarcabe quero dizer três coisas muito simples:

1 - Jamais me ponho em bicos de pés para competir consigo em sapiência. Mas como não me conhece, assim como eu não o conheço, não arme em exclusivo sabedor... eu não o faço, embora lhe peça para ser mais comedido nas suas avaliações!
2 - Acredito que não diga mentiras, só que penso que não está devidamente informado, principalmente sobre este assunto.
3 - Longe de mim querer fazer-lhe censura (a si ou a qualquer outra pessoa). Nesse capítulo garanto-lhe que não me pode dar lições.

Por último, quando eu me achar com um pouco mais de pachorra para escrever, dir-lhe-ei por que razão não posso concordar consigo a cem por cento no que a este assunto diz respeito.
Sabe? É que embora uma Fundação não será cura para todos os males, também pode ter algumas virtualidades... mas fica para mais tarde a conversa.

É tudo por agora.

anarcabe disse...

Cá aguardo.

vinagrete disse...

Creio que neste caso concreto, a Câmara fez o que lhe competia.
Fundação ou não fundação, para mim é pouco relevante.
Já a eventual colisão ou duplicação com o Centimfe suscita algumas dúvidas, mas não tenho razões para pensar que os responsáveis destas instituições não se juntem e potenciem as suas capacidades.
Pode ser bom para a Marinha Grande e pode até ser o primeiro passo para a grande caminhada que é preciso fazer.

Anónimo disse...

Gostava de saber o que o anarcarbe faz na vida (funcionário publico?) para ter tanto tempo para conversas e contra conversas a todas as horas do dia...é que opina sobre tudo e mais alguma coisa que mexa !! O pessoal director deste blogue agradece....

Comissão de Moradores do Largo das Calhandreiras disse...

O que é que é isso do "pessoal director deste blogue agradece...."?

Pirolito disse...

É mais um dos muitos 'anónimos' que abundam por aí, a armar as cágados!

anarcabe disse...

Ao anónimo das 08.52.

É para mim claro que as suas declarações são rançosas que chegue e evitam mais discussões, no entanto, o Sr, não deveria estar trabalhar para quem lhe paga, em vez de estar a escrever neste fórum?

Anónimo disse...

Quem pode bloggar em dia de semana as 9h da manhã, as 11h da manhã e as 15h da tarde não deve ter lá um trabalho muito exigente..isto claro, sou a eu a pensar alto.. a realidade decerto será outra, mas não se preocupe que a gente até aprecia quem tanto escreve sobre tudo e mais alguma coisa neste blogue, nem que seja a falar sozinho...

anarcabe disse...

Eu não me preocupo, o que não será o seu caso necessariamente.

Fique atento, porque sempre que possa, ocupo espaço preciso para que a direita neoliberal de ficção e rançuda não avance.

Como está tornar-se pessoal e desdenhoso, dou por findo este tópico

Acintoso disse...

À particular atenção de Anarcabe,
Continuando a nossa conversa...

Primeiro deixe que lhe diga, à guisa de declaração de interesses, que:
1-Eu não pertenço aos quadros do IPL.
2-A minha formação pouco tem de liberal, se atendermos ao novo enquadramento que esta linha de pensamento tem, actualmente. Sou, diria assim, uma pessoa da esquerda social que, por acaso, ou não, entende e aceita algumas regras do liberalismo clássico...
Bem, quanto a isto estamos falados.

O Anarcabe diz-se preocupado com o facto de a Câmara Municipal ir ceder (gratuitamente, deduzo ser esse o receio) um terreno a uma entidade que, dentro em breve, irá passar a ser uma Fundação.
Ora é aqui que penso que o Anarcabe é capaz de estar com algum equívoco.
A passagem do IPL a Fundação (facto que, ao que sei, ainda não está definido, até porque há, dizem, uma grande quantidade de docentes que ainda não se pronunciou sobre o assunto), não transformará a Instituição IPL em entidade de direito privado.
Não sendo eu jurista, parece ser fácil concluir que a futura Fundação deverá ser uma entidade de direito público.
No entanto, caberá à autarquia inteirar-se de todos os pormenores relevantes, para que tal cedência se faça sem prejuízo dos interesses públicos.

De qualquer forma, esta é um a situação que não me tira o sono.
Ficaria, sim, muitíssimo preocupado era se a nossa Câmara Municipal não tivesse atendido à pretensão do IPL em instalar, na nossa cidade, a sua Unidade de Investigação para o Desenvolvimento Rápido e Sustentado de Produto.
(A propósito quero chamar-lhe a atenção para o facto de entre os concelhos de maior relevância no nosso distrito, a Marinha Grande ser um dos poucos que não estava contemplado com uma Escola – ou entidade equivalente – do IPL.
É ainda relevante lembrar que aquele Instituto esteve nas negociações para a fundação da OPEN, não tendo, à última hora subscrito a sua escritura de constituição).
É, pois, de saudar esta decisão da direcção do IPL, assim como é de saudar o facto de a nossa Câmara Municipal não ter deixado de corresponder a esta solicitação.

Quanto à articulação da actividade desta Unidade com o Centimfe, tenho confiança que os dirigentes de uma e de outro, não deixarão de ter em conta o facto de, conjuntamente, poderem potenciar a sua acção. Como resultado disso quem ganhará é, numa primeira análise, a indústria de moldes (e de plásticos) e, depois, toda a região e o próprio país.

É bom que não percamos de vista o facto de em Portugal estarmos fartos de ter estabelecimentos de ensino superior, que levam o nosso dinheiro, trabalhando de costas voltadas para as empresas e para as suas realidades. Só esperamos, pois, que esta nova Unidade represente uma inovadora atitude…

anarcabe disse...

...ao especial cuidado de Acintoso...

Não tenho absolutamente nada a ver com o IPL, o meu interesse deriva somente da vontade em estar informado, daí a pesquisa em diversos lados.

Entendi, e tinha pressuposto a sua ideia, obrigado pela atenção.

A fundação que existir, acredite que vai existir, não será pública, se assim fosse...

Outra coisa que me incomoda é este facto: em Portugal existem 17,4 universidades ou institutos ou ainda politécnicos por milhão de habitantes, em Espanha mesmo aqui ao lado há...7, uma parte é utilizada como sabe, por portugueses. O desaproveitamento e a subdivisão de cursos, ditam esta elevado numero.

Se a qualidade do ensino for virado para a investigação e tiver que concorrer (no bom sentido) com o Centinfe, pois ainda bem claro.

Se o IPL funciona bem, com qualidade, porquê mudar? A não ser que alguém, algum sector fique beneficiado, aí eu chamaria outro nome à mudança.

A ver vamos, como diria o cego.

Acintoso disse...

Como já sabe que a tal Fundação, a existir, não vai ser de direito público, então estará mais bem informado que eu!
Talvez...