.
.

quinta-feira, 2 de abril de 2009

Revista de Imprensa

"Autarquia promete estudar legalidade de lombas"

Alberto Cascalho, presidente da Câmara da Marinha Grande, prometeu estudar a legalidade das lombas na estrada Marinha Grande-Amieira, na reunião em que participou com o grupo de cidadãos utentes, na sexta-feira, na sede do clube da Amieira.
“Admiti esclarecer todas as dúvidas das pessoas e assumi que vou colocar a questão aos técnicos da câmara. Quando tiver uma resposta volto a reunião com os representantes dos utentes”, adianta ao JORNAL DE LEIRIA Alberto Cascalho.
Segundo a população das localidades de Amieira e Trutas, as lombas redutoras develocidade não respeitam a legislação em vigor e têm provocado acidentes. O problema estará na geometria das lombas, que são demasiado altas, inclinadas e pouco visíveis.
O presidente mostrou-se satisfeito com a presença de cerca de 150 pessoas no encontro e convidou os representantes dos utentes a trabalhar em conjunto com o município. Alberto Cascalho revelou também que estão em estudo medidas de acalmia de tráfego para toda a via, salientando que a autarquia cumpriu “tudo o que se tinha comprometido com o grupo de utentes”.



(surripiado do Região de Leiria)

3 comentários:

anarcabe disse...

Novamente as lombas.

Se a execução camarária se medisse em quantidade de lombas, este executivo estava no top, mas felizmente não.

Se tivéssemos um governador civil à altura, bem como um responsável pela segurança que não dependesse do executivo... mas não é assim, continuamos a debater-nos com a incompetência... e também com as lombas.

Faço portanto uma proposta, vamos baptizar cada uma delas com o nome de algum politico com responsabilidades na câmara. No fim quando passar-mos por cima do edil... fulano Y, sentimos uma satisfação ENORME.

PS.: Não vale urinar nas lombas.

Anónimo disse...

Diria mesmo que as lombas gigantescas são monumentos à malvadez e estupidez de alguns humanos, que preferem um carro ou camião destruido (o que os deve divertir imenso), em vez de procurar soluções civilizadas.
Façam testes a 40 Km/H e vejam os resultados.
Os meios não justificam os fins.

Anónimo disse...

Esta estupidez de dizer que se vai estudar a legalidade da coisa depois de a fazer começa a fazer escola na CDU...Na ETAR do Pilado disseram e fizeram o mesmo...bolas que gente fraca!!!