.
.

terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

Hoje em DESTAQUE

"Ex-mercado passa a zona comercial"


Um espaço comercial e um núcleo de arte, com as atenções orientadas para o vidro. Este vai ser o futuro do edifício da Resinagem, situado no centro da Marinha Grande, onde até há poucos meses funcionava o mercado bi-semanal. As más condições e a degradação do espaço levaram a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica a encerrá-lo. Situação que obrigou a Câmara a criar uma alternativa provisória, na zona desportiva. A procura, muito superior ao esperado, por este mercado instalado em tendas, leva agora o executivo a alterar o destino do edifício da Resinagem, que iria ser preparado para voltar a acolher o mercado.

"O edifício da Resinagem já não vai ter o mercado, mas sim um espaço amplo para restaurantes e comércio" no piso térreo, enquanto nos outros dois pisos serão instalados serviços camarários e um núcleo de arte contemporânea, explicou o presidente da Câmara, Alberto Cascalho. O responsável adiantou à Lusa já ter existido uma reunião com um gabinete de arquitectos do Porto, "para que se constitua um espaço-âncora, com vista à recuperação do centro tradicional", integrando um "conjunto de valências de comércio" ligado à restauração.

Na passada semana, o vereador dos Mercados, Artur Oliveira, adiantava que a decisão de construir um mercado de raiz está relacionada com a necessidade de um amplo espaço para estacionamento e para cargas e descargas que não existe no centro da cidade. Por outro lado, a intenção ao alterar o projecto da Resinagem, é "criar condições para dar vida ao centro histórico diariamente e não uma vez por semana".

O mercado construído no edifício Atrium, no anterior mandato, vai ser vendido.
HS com Lusa


(surripiado do JN)

8 comentários:

Pirilampo disse...

No comments...

Anónimo disse...

Uma ideia antiga do PSD ...... só é pena que só vá ser implantada depois de se terem gasto uns MILHÕES de Euros no Atrium e na Barracada ..... pobre politica Marinhense.

Para quando a cura para os "traumas de Abril" ????

Ti Nini disse...

As boas ideias, enquanto brilham, são sempre de muitos pais. Para a "trampa" toda que para aí está, é que ninguém reclama autoria. Lá teremos que requerer uns exames de ADN.

Anónimo disse...

"trampa"??
Ou Ti nini por onde tem andado estes anos todos?
Quem tem estado no poder ao longo destes trinta e poucos anos de poder autarquico no Concelho da Marinha Grande?
Independentes - PS - PCP - CDU - PS - PS - PS - CDU = "trampa"

Anónimo disse...

Ora bolas.
Mas o que se anuncia estava escarrapachado no projecto aprovado pela Câmara do Órfão e na maquete que esteve em exposição no Museu do Vidro, faltando-lhe agora os cinemas e as soluções arrojadas para o estacionamento subterrâneo a construir no terreno onde está o quartel dos Bombeiros, ligado por túnel ao edifício da Resinagem.
Copiaram as ideias mas falta-lhes o rasgo para as grandes soluções. Pensam pequeno e copiam mal.
Com um pouco mais de golpe de rins, ainda os vamos ver a retomar a instalação do mercado no Átrium.
Esperem para ver.

Anónimo disse...

O mercado da Vieira foi hoje inaugurado, sem condições de funcionamento com base nas conclusões do Relatório feito pelos amigos do vereador (sim, esse) e ainda por cima sem estar acabado.
Não vimos cais de acostagem herméticos, nem câmaras frigoríficas para frescos e congelados com controlo de temperatura, nem blocos de balneários com armários "xpto" para empregados e comerciante, nem multibanco, nem papelaria, nem, nem ,nem, etc.
Viva a mentira, a manipulação e o regabofe.A desonestidade impera e os pacóvios aplaudem.

Anónimo disse...

"Mercado da Vieira inaugurado hoje"
Olha tenho que avisar a ASAE desta situação.

Anónimo disse...

Texto retirado do Blog do Vereador João Paulo Pedrosa:

"Na quinta-feira passada estava agendada a cedência contratual da empresa de recolha de lixos para outra empresa. Estamos a falar de um contrato de muitas centenas de milhares de euros. Chegados a este ponto estabeleceu-se o seguinte diálogo:

A Cascalho: - "Artur sabe alguma coisa disto ?"
A Oliveira: Resposta pronta e decidida, -"não! não faço a mínima ideia".
Espreito o processo e vejo lá a assinatura dele.
Questiono: -"mas o processo está assinado por si!"
Resposta: -"Não me posso lembrar de tudo o que assino!.

Palavras para quê é um artista português!"

Mais uma!!
O Homem anda mesmo cansado de tanto trabalho.