.
.

sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

Revista de Imprensa

José Augusto Esteves, membro da Comissão Central de Controle do PCP e deputado da Assembleia Municipal de Leiria

"Os adversários da CDU vão ter dificuldades em bater Alberto Cascalho"

Diz que Barros Duarte aceitou afastar-se da presidência da Câmara da Marinha Grande e que a defesa do projecto da CDU não está apenas nas mãos de um indivíduo. Lamenta a apatia da região em relação à perda de influência de Leiria e acusa o PSD de não estar interessado em discutir os problemas. Diz que a câmara está a perder velocidade e que Leiria precisa de outros protagonistas

O PCP afastou João Barros Duarte da presidência da Câmara da Marinha Grande, depois de ter conquistado a maioria absoluta nas últimas autárquicas. Essa atitude não é um desrespeito pelos eleitores que votaram nele?
Quando nos apresentamos a eleições, apresentamo-nos com um programa e assumimos colectivamente responsabilidades perante os eleitores. A situação que se avançou foi no sentido da renovação, com o consentimento de João Barros. A defesa do projecto da CDU não está apenas nas mãos de um indivíduo. Só é desrespeito pelos eleitores se, porventura, se subverte o compromisso assumido com o eleitorado, do ponto de vista do programa, das ideias e da concretização do projecto.

Em entrevista à Rádio 94 FM, Barros Duarte afirmou que essa decisão, “em termos políticos, foi um erro crasso”. O PCP vai pagar caro por isso nas próximas eleições?
Não sei. Não me compete avaliar a vontade dos eleitores. O meu camarada Barros Duarte se achava que era um erro devia-o ter dito com franqueza e não aceitar a decisão.

Ele diz que não se comprometeu a sair nem assinou nenhum documento…
Aquilo que acompanhei, e não veio desmentido na opinião pública, é que aceitou essa solução. E isso confirma-se. Se não tem aceite, certamente não teria havido os desenvolvimentos que houve. Se dissesse que não estava de acordo, não acredito que lho impusessem.

Barros Duarte não imputa responsabilidades ao partido, mas antes a “dois ou três camaradas” que acusa de “estupidez, má formação, incompetência política e maldade”. Este tipo de decisões podem partir de “dois ou três camaradas”?
Tem que passar pela estrutura da Direcção e por um debate colectivo. Não está nas mãos de duas ou três pessoas. Não é assim que funciona o partido. O partido pode errar, como qualquer organização de homens e mulheres, mas neste caso não quero acreditar que tenham sido duas ou três pessoas.

Encara com naturalidade este tipo de processos a meio do mandato?
Se forem tratados com transparência e servirem o concelho e as pessoas. Agora, o próprio tem de estar de acordo com isso.

Quando o PCP convidou Barros Duarte para se candidatar à Câmara da Marinha Grande fê-lo por ter uma grande experiência autárquica e por ser uma pessoa com a qual os eleitores do PCP se identificavam. Acredita que vão ter um bom resultado com Alberto Cascalho?
Alberto Cascalho é um homem conhecedor e sabedor. Estou convencido que estes dois anos que esteve como vereador e os próximos dois o vão projectar e dar a conhecer como uma pessoa muito sensata e com qualidades para poder ser presidente da câmara. Os adversários da CDU na câmara vão ter dificuldades em bater Alberto Cascalho. Ele tem todas as condições para vencer. Foi professor durante muitos anos e tem uma grande sensibilidade para os problemas das pessoas. É um homem muito equilibrado. Tem muito boas qualidades de trabalho nesta área.

Faz sentido o partido voltar a governar a autarquia com o PSD?
Não entendemos o poder local como uma cópia do Parlamento. Mas como um espaço onde é possível, no quadro dos interesses locais, encontrar formas de cooperação. Tal como defendemos para nós a possibilidade de aceitarmos pelouros de outras forças políticas, também os damos. Mesmo que sejam a partidos que estão no outro campo.

(…)

PS e PSD fizeram um pacto sobre o novo modelo de eleição das autarquias. Revê-se nas medidas propostas?
Estamos em desacordo. O povo deixa de eleger directamente o presidente e a câmara, o que torna mais obscura e menos transparente a gestão. Ainda por cima a solução que estão a apresentar é da diminuição do número de vereadores, o que significa que é uma encomenda para garantir a hegemonia do PS e do PSD, dificultando o acesso das outras forças, em prejuízo da pluralidade política. Esta ideia tira ao povo a possibilidade de decidir a câmara que quer.

É favorável ao facto de apenas os deputados eleitos para as assembleias municipais terem direito de voto, retirando assim poder aos presidentes de junta?
Um presidente de junta tem sempre um papel muito importante na defesa da sua freguesia, pelo que devia manter o voto. Agora, tem que ter mais coragem e ficar menos dependente quer da maioria quer da sua opção política. O grande problema desta lei é que serve apenas o PS e do PSD, e não os interesses das populações.

Perguntas dos outros

Carlos André, deputado municipal do PS
Como compatibiliza o PCP o respeito pelos eleitores e sua vontade com os tristes episódios de Barros Duarte e de Luísa Mesquita? Não é caso para dizer que o PCP se serve das pessoas quando lhe são úteis e as deita fora, como peças gastas de engrenagem, quando lhe não servem já?
Não. Primeiro, porque no contexto de milhares de eleitos do PCP, essa não é a regra. Segundo, porque a existência de tais situações resultam de compromissos previamente assumidos. A compatibilização realiza-se cumprindo os compromissos programáticos anunciados e tornando previamente transparente no seio dos eleitores que os eleitos são também politicamente responsáveis perante o partido, facto que nunca se escondeu.

(…)


(surripiado do Jornal de Leiria)

6 comentários:

Folha Seca disse...

2 Perguntas que eu faria ao Sr José Augusto Esteves.

1-Como se sente ao ver o Sr Artur Oliveira(mais conhecido por A.Autocolante)ser um dos principais esteios da coligação contranatura existente na Autarquia da Marinha Grande? Ou já se esqueceu daquela cena recambolesca de há uns anos quando o apanhou a pegar fogo a um cartaz do PCP e o levou para a policia com dezenas de militantes do PCP, acabando tudo no tribunal???

2-Como se sente como membro do mesmo partido que JBD quando há uns tempos foi o principal impulsionador da expulsão do Joaquim Carreira, só porque,este escreveu um artigo a explicar porque não ía votar em João Barros Duarte?

Rui Ramusga disse...

Caros amigos,

A entrevista da Radio 94 FM ao ex-presidente da Câmara da Marinha Grande, João Barros Duarte, pode ser ouvida integralmente em www.youtube.com/RADIO94FM
A entrevista esta dividida em 11 partes de 10 minutos (tempo max. permitido pelo YouTube).

Rui Ramusga
Radio 94 FM

Anónimo disse...

Olá amigo ramusga pense em levar ao seu programa o AAutocolante afim de explicar porque chamou ao Pedro Fonte Seca de "És cá um Mentiroso!!" e porque despiu a camisola do partido?

Anónimo disse...

Afinal continuamos na mesma - sem saber quem fala verdade - JBD ou PCP?
Isto merece um frente a frente em canal aberto.

Anónimo disse...

Caro Anonimo,

Ao fim dos meia duzia trago às costas, não me custa a acreditar que João Barros Duarte foi mesmo enganado. Pena que ninguém investigue o que se passou com os terrenos do Marinhense e o negócio com o Lidle... Como transparece da entrevista que JBD deu à 94 FM, está aí a chave do misterio.
Quanto ao frente a frente, a Radio 94 Fm está e estará sempre disponível para participar de pleno direito na nossa Democracia. Para bom entendedor...

Anónimo disse...

então e a reforma do JBD? e os ordenados destes dois anos?