.
.

quinta-feira, 27 de dezembro de 2007

Comércio Tradicional - Comentário Pós-Natalício

Este ano decidi fazer todas as compras de Natal (que não são muitas) no famigerado "Comércio Tradicional da Marinha Grande". Não vou comentar preços, nem qualidade, nem variedade na oferta. Vou apenas comentar dois pequenos pormenores que são reveladores duma certa postura de alguns dos nossos comerciantes e de alguma (para não dizer muita) falta de cultura comercial existente na nossa terra. Vou-me limitar a factos. Quanto às conclusões cada um tira as que quiser não sendo lícito atribuírem-me generalizações ou extrapolações para o universo dos comerciantes da Marinha (até porque isto é apenas um comentário e apenas isso).
Das onze lojas que visitei, sete não tinham multibanco e/ou cartão de crédito e em nove delas fui abordado pelos comerciantes/empregados de balcão através de expressões do tipo "o que era?", "o que é que quer?" ou então "diga lá!".
Vistas as coisas pelo lado positivo, aqui estão dois aspectos em que os comerciantes podem (e devem) melhorar e que a mim, enquanto consumidor, são de extrema importância (apesar de aparentemente óbvios). Sugiro por isso que comecem pelas coisas simples pois elas podem fazer toda a diferença, a diferença entre um consumidor voltar ou não.


Permitam-me apenas que coloque uma pergunta final. Alguém me sabe dizer qual é o efeito no comércio tradicional do combóio e da iluminação de Natal. É que, parece-me, este é um dos nossos maiores defeitos, gastar recursos (escassos) sem qualquer retorno. Dito por outras palavras: enterrar dinheiro sem medir os resultados. Se é que os há...

6 comentários:

Anónimo disse...

Nada mais verdadeiro!!!!!
O Comboio, as Luzes!

Recusos, que nem oxigénio são para quem está moribundo, como é o caso do comercio Tradicional.

Responsabilidades? de tantas entidades, circunstâncias, momentos economicos, etc, etc.

Na verdade, fácil é atirar a pedra aos próprios comerciantes! mas a Associação que os representa? nada tem a dizer face a esta conjuntura?

Será a falta de multibanco? de falta de simaptia na abordagem aos clientes?

Penso que não!

O problema é muito mais grave e profundo....
Mataram o comercio da Marinha Grande, e os Comerciantes, nem motivação têm, nem razão têm para fazer invesitmentos,actualizações, nada! pois o retonro é seguramente NULO!

POBRE DESTA CIDADE, OUTRORA GRANDE VILA, ONDE TODOS A QUEREM MATAR!

Anónimo disse...

falta de multibanco e cartão de crédito igual a receitas não declaradas; velho sistema!!!!

Wolverine disse...

A falta de simpatia quando um possível cliente entra à porta é meio caminho andado para não o voltar a ver. Este é um fundamento básico de uma relação comercial. Mas aos comerciantes só há uma coisa a dizer: Lei de Darwin. Os mais fracos caem por terra. Há comerciantes nesta cidade que sabem receber um cliente e fazer com que, mesmo comprando mais caro, voltem ao seu estabelecimento. Já outros acham que podem tratar um cliente de qualquer maneira...

A culpa aqui é, na maior parte dos comerciantes porque não se mexem para se actualizar e aprender mais acerca de marketing e relações comerciais. Claro que a associação também tem a obrigação de promover acções de formação e workshops para os seus associados com o objectivo de os dotar de mais ferramentas para o seu negócio (e eu sei que ja foram feitas formações sobre vitrinismo, por exemplo)...

Vejo é que neste país, para além dos agricultores, já começam também os comerciantes a mandar-se aos subsídios para colmatar a inércia de que padecem...

Uma última pergunta: Eu já lá não vou há anos, mas o Mafra, ali no cruzamento do sinaleiro, parece-me aguentar-se face às outras superfícies que apareceram na cidade...Será porque se mexeu e se aliou a marcas implantadas? (Digo isto por ver dizeres de outras cadeias de retalho no estabelecimento...)

Anónimo disse...

Quem me sabe informar quando existiu bom comercio na Marinha Grande?
Por tudo o que me foi dado observar durante a minha existencia nesta terra,pode ter havido um ou outro comerciante que o soube ser...
O comércio nunca foi forte nem de qualidade nesta terra...claro que tem piorado...é evidente!

folha seca disse...

ora aqui está!

porque não decretar que o comercio tradicional já não se justifica e como tal obrigá-los a fechar as portas de uma vez por todas... que tristeza! nem multibanco teem...que falta de maneiras de atender um cliente como tão bem foi demonstrado pelo Mr.been... e o resto! Venha o leclerc, para juntar ao intermarche ao lidl ao plus ao modelo ao feira nova e por aí fora e então ha multibancos... simpatia( a rodos) preços baratos (só nos produtos de folheto) e vamos sentir uma grande vaidade por nos termos tornado numa pequena catedral de consumo...só não percebo a confusão em volta do mercado municipal quando atendendo a determinados pontos de vista já há muito que devia por e simplesmente ter fechado e quem sabe? Utilizar o belo edificio da resinagem para aí erguer uma grande superficie comercial com uma vasta galeria de lojas de marca... todos com cartões de debito e credito e muitos sorrisos e boas maneiras que pelos vistos sao coisas enexistentes nos nossos actuais comerciantes.

Anónimo disse...

Sem humildade para reconhecer os erros e dar passos seguros para melhorar, então é que nunca mais vão ressuscitar os túmulos comerciais que ainda existem por cá.
Por amor de Deus...