.
.

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

OPINIÃO (a minha, claro está)

No dia 28 de Maio de 2008 pelas 15:03, o Director do JMG num bitaite a um texto por mim escrito, a dado passo dizia o seguinte:

...
O que não me parece correcto é que os meus "amigos" utilizem este espaço, sob a capa do anonimato, para denegrir o bom-nome das pessoas.
...

Para quem hoje leu no JMG o texto de “opinião” da autoria de um “autor devidamente identificado”, com o título “O Grão-Mestre da Sopa de Espinha”, poucas dúvidas restam quanto à coerência editorial do Sr. Director e quanto ao uso dessa estranha figura do “autor devidamente identificado”. É que as considerações de natureza pessoal à conduta e à vida privada de alguns dos visados é de tal maneira infeliz, que nem a graçola que antecede o texto serve de desculpa, pois neste caso qualquer semelhança com a realidade não foi pura coincidência. E numa imprensa dita plural e isenta não vale tudo, não é?

25 comentários:

ai ai disse...

Ó caro FLC, está bem pronto, estava-lhe atravessada essa do Tó Zé e até tem razão (na minha opinião claro) mas o texto do tal leitor devidamente identificado, até tem piada, o que lá está implicito é do conhecimento de toda a gente...

Mas eu sou suspeito...

A propósito aquela da gravação duma reunião do PCP entregue ao jornal, está esquecida? De certeza que não foi o J.B.Duarte! Quem terá sido? Estou farto de dar voltas à cabeça e não consigo imaginar, mas que foi alguem lá presente,foi!

Anónimo disse...

Tive curiosidade e fui comprar o Jornal Da Marinha (JMG).
É deplorável de ponto de vista informativo e do que deveria ser a missão do JMG.
1 página inteira de parvoices!

É um artigo de uma pobreza escandalosa.
Não tenho a certeza a quem se refere. Suspeito que seja ao Dr. Luis Guerra Marques. Será?

Se for Dr. Guerrra Marques estará muito agradecido ao "leitor devidamente identificado", pois o tal artigo consegue ser pior do que alguns textos por ele publicados. publicados.

Anónimo disse...

O MCI só tem candidatos para apresentar.

E o programa? Sim o PROGRAAAMA!

E para os outros a mesma pergunta.

E o PROOOGRAAAAMA!

Anónimo disse...

Por curiosidade aguçada pelo LC lá fui comprar o jornal.
Ao leitor devidamente identificado os meus parabens, humor fino e inteligente é o que se precisa nesta terra onde não acontece nada, a descrição das personagens está fantástica.

ai ai disse...

Ao anónimo das 21:48

Está distraído o meu caro, clique lá no Sr. Artur aqui do lado direito e vai ver o programa...

Até tem petiscos e tudo. Só é pena não dizerem qual a a ementa, porque se fosse daquelas que não aumentam o colesterol eu até lá ia, pelos petiscos, claro!

Anónimo disse...

O JMG, na pessoa do seu director, à falta de outras notícias que prossigam os seus propósitos, avança pela calúnia e o ataque pessoal, infelizmente já se perde a conta de quantas vezes assim o fez.
Estes actos ficam com quem os pratica. Só espero que ninguém reaja. Porque no plano profissional e no outro, o sr. tozé deixa muitos rabos de palha.

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo de 10 Setembro, 2009 21:43 disse...

Penso que me expiquei mal.

Eu queria dizer que o artigo ainda é tanto ou mais ordinário e infeliz do que o Guerra Marques, os seus ecritos e fundamentalmente a sua incoerencia entre o que diz e o que faz.

Anónimo disse...

pois sim.

coluna vertebral disse...

Olha, apagaram um bitaite, que não dizia nada de mal. Deve ser a asfixia democrática deste largo.

Anónimo disse...

É o coro das 'virgens' ofendidas, que como diz o poema de Sophia, "não matam galinhas, só comem galinhas".
Ninguém pode escrever e dizer que afinal o Rei vai nu.

anti-floriano disse...

O tal artigo é pois muito ordinário. Já não se pode ter piada, porque na Marinha GRande há exclusivos da graçola. Pelos vistos o FLC é apologista dos monopólios.

Zé Tó disse...

Ó floriano:
o problema não é ter piada, o problema são as cópias e as imitações ordinárias e nesse particular o tal "artigo de opinião" não se limita à crítica mordaz (saudável)que parece por aqui fazer boa escola. Deriva para o perigoso pantano das provocações atentatórias do bom nome e da dignidade pessoal e profissional de um dos visados. Se autor devidamente identificado tem alguma coisa a opor à actividade profissional do visado porque que é que não apresenta uma queixa na respectiva ordem profissional? E eu até estou há vontade porque não tenho nenhuma simpatia pela pessoa em causa. Mas faz-me muita confusão quando a coisa resvala para a calúnia encapotada. E nisso estou inteiramente de acordo com o FLC.

Anónimo disse...

Embora muitos politicos e jornalistas portugueses (e não só)gostassem que isso acontecesse não podemos separar a conduta privada e/ou profissional da conduta politica,.

Tanto o Dr. Guerra Marques como o Sr. António José Ferreira têm tido na sua vida privada comportamentos imorais graves (embora alguns até com disfarce de legalidade), conhecidos por muita gente e que devem ser relevados. Em qualquer dos casos houve terceiros gravemente prejudicados.

Essas acções devem ser denunciadas porque fazem parte do seu curriculum e servem de exemplo para se perceber de que não olham a meios para atingirem os seus fins.

Anónimo disse...

Então e qual é o sítio certo para essas denúncias serem feitas? E de que forma devem ser feitas? Portugal (ainda) é um estado de direito, ou não?
A questão aqui é outra, são os julgamentos morais que alguns se acham no direito de fazer. E para esse peditório...

Anónimo disse...

Vem sempre o rgumento dos julgamentos morais com forma de desviar as atenções. Também há a da "cabala".

Cada um tem liberdade para conduzir a sua vida como muito bem entende. No entanto deve assumir todas as consequências.

Nos países livres esses factos são denunciados e a partir daí cada um julga como quer. Muito mais vezes do que em Portugal os visados assumem as consequências porque têm uma opinião pública menos tolerante para com esses actos.

E Portugal, regra geral refugiam-se de imediato no argumento de que foram alvo de um ataque pessoal e na "cabala".
Depois como os tribunais não funcionam (é o melhor aliado dos "vigaristas") quando os ataques se baseiam em mentiras existe muita dificuldade na reparação. Por outro lado quando são legitimos existe um quadro legal que permite que nada aconteça.

Infelizmente exemplos destes não nos faltam em em todas as actividades e em todas os quadrantes politicos.

Depois os que têm poder fazem "justiça" pelas próprias mãos utilizando todos os meios de vingança normalmente nos bastidores(ex: cortam publicidade da instituição que dirigem nesse meio de comunicação, criam condições para demissões, etc, etc)

Nos países livres e desenvolvidos (ex: Escandinávia) as empresas, as instituições e as pessoas são muito mais livres e por isso mais exigentes. Infelizmente nós estamos mais perto do estilo Hugo Chavez ou Berlusconi.

Pena minha e não só.

Anónimo disse...

Pois é...Pois é...tanto puritanismo, "vicios ocultos...publicas virtudes"!!!!!
Agradecida por haver alguem que com tanta imaginação pôe a nu algumas das personagens mais rídiculas que este concelho tem.

Anónimo disse...

Denunciar factos concretos e comprovados, passíveis de censura pública ou até penal, dando a cara e assumindo as consequências, não me repugna.
O problema reside na perfídia de ir construindo um clima de suspeição sobre alguém de quem não se gosta ou se pertende abater, no seio de grupo organizado, com sede em qualquer "Ratoeira", onde, para além da fofoca, se comem uns petiscos e bebem uns copos, para depois espalhar, de forma viperina, no boca a boca das patuscadas ou nas páginas dos jornais dos velhos amigos.
E é um problema, porque alastra como mancha de crude sobre um mar de corais e depois, não torna dificil mas IMPOSSÌVEL, remover os efeitos trágicos sobre a honra e a honorabilidade das pessoas.
Há entre nós quem se tenha especializado nestas tarefas e que terá tantas ou mais responsabilidades que L.G.M. na situação em que se encontra.
Sempre ouvi dizer que pela boca morre o peixe. Não sou pescador, mas gosto de observar a pescaria.

ai ai disse...

Meus Senhores ou caros bitateiros

A figura de "leitor devidamente identificado" é uma figura legal que independentemente de por razões muitas vezes "compreensiveis" não assume a sua identidade. No entanto isso não obsta a que se alguem o processar, o mesmo não seja julgado. Por isso se alguem se sentir ofendido pode sempre defender a sua honra nos tribunais. A direcção do jornal tem obrigatóriamente que fornecer ao tribunal a identidade do autor.

Mas não me parece que que isso vá acontecer, pois a tal personagem está é interessada que não se fale muito no assunto...

zé lérias (o. carvalho) disse...

Também li.
Esse "texto" de "autor devidamente identificado" (?) assenta que nem uma luva no sítio do sr. tó zé...
mesmo que não fosse uma forma grosseira por ele encontrada para vender mais uns jornalecos.

Aquilo não passa de um escarro bilioso de um qualquer candidato a "opinion maker" de trazer por casa.

RTP disse...

Pois eu vos digo a todos, fui eu que escrevi esse artigo da treta que parece que tanto escandadiza alguns e se sr. dr. visado tiver coragem para me colocar em tribunal... cá estarei com o maior dos entusiasmos ... coitado do LGM, pobre imbecil!

Anónimo disse...

e coitadas das virgens ofendidas que defendem o que, simplesmente, não tem sequer defesa possível! Cambada de estúpidos.

Tenho pena da não ser esperto disse...

Só pessoas espertas e muito inteligentes podem escrever bitaites com o grau de complexidade do anterior. Normalmente são pessoas com um QI semelhante ao Alberto João.

Evidenciam que são grandes democrata e respeitadores das opiniões dos outros.
Era interessante saber se pertence a alguma lista de candidatos.

Anónimo disse...

Caro RTP,

Desaprovo o seu texto no JMG, porque:

- O estilo, mal conseguido, não dá credibilidade ao que diz estar a denunciar;

- Procura atingir um conjunto de pessoas que duvido que conheça;

- Cai numa linha de ataque pessoal, rasteiro e do que conheço sem factos objectivos, o texto também não demonstra, que comprovem o que insinua de forma torpe no seu rasurado;

- O momento escolhido (a 1 mês das eleições) para as supostas denuncias e insidiosas criticas, é mau para quem diz querer demonstrar o que quer que seja. E este momento denuncia-o nos objectivos reais do chamado escrito.

- Não ajuda nada a publicação do texto sob a figura de "leitor devidamente Identificado", nem o jornal escolhido para o efeito, porque são já demasiadas as vezes que o dito jornal se presta aos serviços mais ignóbeis, para garantir a sua sobrevivência financeira, ainda que para tal tenha que borrar de esterco a ética a que deveria, por principio, estar obrigado.

Admito que lhe encha o ego estar a “bitaitar” o seu texto, mas tenha em conta, que só assim acontece, pelas piores razões.

Não se distraia! Terá sempre manter a cabeça bem levantada, por forma a não se afogar no fluido onde desastradamente aprecia chafurdar.

Fico a guardar que tome a acção correcta. - Denuncia ao ministério público, pode ser por carta e assinada por "denunciante devidamente identificado".

Mas você sabe, tão bem quanto eu, que nunca o fará.

Na falta de argumentos, propostas, ideias ou ao menos candidatos capazes de travar um debate sério e claro, corremos este tipo de riscos.

Que ninguém se preste a estes serviços, pois só dificultam o caminho necessário de debate em prol da nossa terra.

Anónimo disse...

Meus caros:
Leiam e comentem o artigo de S.M. no Correio dos Leitores. Isso sim são problemas que afectam centenas de mães e familias deste concelho e para os quais os responsáveis camarários têm o maior dos desprezos.
Como é possível que a ausência de uma funcionária da Câmara possa prejudicar centenas e centenas de crianças no nosso concelho? Como é possivel termos deixado chegar isto a tanto?
Lembro que quando o Presidente Eleito J.B.D apresentou, ou foi forçado a apresentar, atestado médico, logo o Vereador nº 2 se apressou a substituí-lo. Então porque é que esse senhor, que por sinal até é professor, não se apressou de igual modo a distribuir as funções da funcionária em falta por outro? Infelizmente cada vez acredito mais naqueles que dizem que há gente em lugares de responsabilidade que estão mais pra se servir do que para servir, este caso é prova mais que suficiente.
É hora, mas tá mesmo na hora de substituir esta gente e não é muito dificil, é só fazer uma X no sitio certo, porque desta gente já vimos do que são capazes.
Para mim, desprezo com desprezo se paga.
Desculpem o desabafo, mas esta situação é mesmo chocante.