.
.

sexta-feira, 6 de março de 2009

Revista de Imprensa (III)

"Autarca da Marinha Grande quer "vistoria urgente" a ponte sobre Lis"

O presidente da Câmara Municipal da Marinha Grande revelou à agência Lusa que solicitou uma nova "vistoria urgente" à ponte sobre o rio Lis, na Praia da Vieira, com tráfego automóvel condicionado desde 2005.

"Por mais do que uma vez, temos insistido com o Instituto da Água para que solicite junto do Laboratório Nacional de Engenharia Civil uma vistoria urgente para aferir do grau de eventual risco da ponte", diz Alberto Cascalho, sublinhando que essa avaliação é necessária "para garantir a segurança de pessoas e bens".

O autarca explica que uma nova vistoria é também imprescindível "para decidir se é de manter as condições actuais de restrição ao trânsito rodoviário".

O apelo do autarca da Marinha Grande surge no dia em que passam oito anos sobre o colapso da ponte de Entre-os-Rios, no rio Douro, que provocou a morte dos 59 ocupantes de um autocarro e de três automóveis ligeiros.

Neste momento, na Ponte das Tercenas, como é designada, está proibida a circulação de veículos pesados, enquanto os veículos ligeiros apenas passam numa via, ao centro da ponte, alternadamente, explica o autarca.

As restrições ao trânsito surgiram na sequência de inspecções realizadas pelo Laboratório Nacional de Engenharia Civil, cujo relatório sugeriu, há quatro anos, a tomada de medidas imediatas limitadoras do tráfego automóvel.

"Queremos que haja uma garantia plena de que é possível manter as condições actuais de restrição", declara o presidente da Câmara Municipal da Marinha Grande.

Alberto Cascalho manifesta, por outro lado, o desejo de ser iniciada, "o mais rapidamente possível", a construção de uma nova ponte, no local da actual, cujo custo está estimado em 1,4 milhões de euros.

O autarca admite que a construção da nova estrutura, embora ainda sem data, se tenha arrastado devido a "divergências" sobre a tutela da ponte, situação que reconhece estar ultrapassada. "Existe total consonância. O município disponibilizou-se a pagar 50% da componente nacional do investimento, sendo o restante do Instituto da Água", afirma Alberto Cascalho, lembrando que actualmente se procura junto do programa "Mais Centro" a possibilidade de financiamento. O investimento inclui ainda a reabilitação da foz do rio Lis, com a participação da Administração da Região Hidrográfica, adiantou o presidente da autarquia.

Segundo Alberto Cascalho, o investimento inicial previsto para a nova ponte era de 700 mil euros, valor que duplicou face à necessidade de "adequar o projecto ao perfil da Estrada Atlântica", que liga, pelo litoral, os concelhos de Leiria e Marinha Grande e inclui uma ciclovia.



(surripiado do OJE)

5 comentários:

anarcabe disse...

Ninguém fala sobre isto, mas vou eu reclamar.

O afunilamento que se fez propositadamente , para que só passe um veículo de cada vez na ponte, está mal feito, criminosamente mal feito, afirmo.

Deveriam ser colocadas mais "rail's" de cimento, para tornar perceptível mais cedo o funil que leva a uma só faixa. Vamos caminhar para o verão e para mais uma carrada de acidentes na zona.

Não vi presidente da Junta de Freguesia da Vieira preocupado, é ele também conivente portanto.

Culpados a abater politicamente, todos os politicos locais com responsabilidade sobre a ponte, que tenham sido eleitos.

Os outros responsáveis, tribunal com eles.

É crime digo eu.

Anónimo disse...

O Presidente da Câmara em vez de arregaçar as mangas e iniciar os procedimentos para a construção da nova ponto...assobia para o lado...como se nada fosse com ele.
Pedir responsabilidades aos outros é fácil, assumir as próprias é que este Presidente da Câmara nunca faz.

Anónimo disse...

Oh anarcabe não fale do que não sabe....a ignorância é sempre muito atrevida... Para não dizer mais asneiras consulte ou procure saber todo processo da ponte

anarcabe disse...

A ignorância não se apregoa, para deixar de ser ignorante, as pessoas honestas informam-se. Eu informei-me, além disso passo lá todos os dias, sei por experiência própria, por saber feito.

Não preciso de consultar o que o PCP fez sobre o caso, que é nada, a não ser dar entrevistas. Já aqui afirmei, que não se consegue andar nem transitar em cima de projectos nem de entrevistas. Para arranjar aquela ponte é preciso cimento e ferro e mão de obra e força de vontade... muita força de vontade, além é claro de saber, muito saber.

O que ali está, está mal feito, não me interessa se está de acordo com o que os responsáveis querem, sei é que está mal feito...

Não estão à espera que um simples mortal, ainda por cima ignorante lhes ensine como se faz, ou estão?

Por falar em asneiras, faça introspecção, analise-se...vai ver não dói nada. Bom no vosso caso se calhar até dói.

Anónimo disse...

O nosso presidente não se esqueça da etar da escoura!!
É uma vergonha!!!