.
.

terça-feira, 23 de janeiro de 2007

Vivam as Feiras!

A semana passada ficámos a saber que a coligação maravilha se prepara para dar mais um passo em direcção ao futuro, um passo firme e seguro como é seu apanágio. E só alguém com evidente falta de visão estratégica não reconhece a importância de haver na Marinha uma feira semanal, pujante e dinâmica, um importante polo de atracção e dinamização sócio-económico. As razões que o justificam são mais que muitas, mas não podemos esquecer qui ça a mais importante: se assim não fosse (se não se apostasse nas feiras), onde é que os moços poderiam montar as barracas que têm dado? Convém também não esquecer que as feiras são cenários ideais para as campanha eleitorais (rima e é verdade), que o digam o Paulinho das Feiras e Cª.
Tudo foi pensado ao pormenor, a localização (por exemplo) será estratégica – zona desportiva! Estratégica porquê? Porque se pretende que seja uma feira competitiva e com preços de campeão! (Toma!)
Mas há sempre detalhes, aspectos a melhorar, por isso o FLC sugere:
- estabelecimento duma parceria estratégica com a Feira de Pataias;
- transportes gratuitos para a feira, nos simpáticos “Use e Abuse”, a partir de vários pontos do concelho
- feiras temáticas (semana da bifana, semana da couve lombarda, semana da roupa gamada, semana da k7 ranhosa, etc)
- criar a figura do Regedor da Feira (convém que seja um tipo cheio de ideias – estou a pensar num, mas... não digo!)
- criar “Arrota da Feira”, um projecto de itinerante de divulgação desta actividade de excelência (como se diz agora) e de extremo interesse, noutros locais do concelho (por exemplos: no verão, criar um polo da feira em S. Pedro cujo tema poderia ser “A Feira vem à praia!”).
Pensamos contudo que a cereja em cima do bolo seria (esta é de borla!) candidatar a Marinha a palco da final da Taça das Cidades com Feira (lindo!).
Ãããhh? Já não há? Foi no século passado? Ahh, pois... pois... mas nós não estamos a caminhar p’ra lá, não? No problem, a malta é revivalista...

4 comentários:

Anacrónico disse...

Já tinha lido, num outro blog, este 'desenho' de ideia e confesso que fiquei um tanto confundido. Não que eu tenha alguma coisa contra as feiras de levante ou outras.
Acho até que, sobretudo as outras, fazem parte da nossa realidade cultural.
A minha confusão advém do facto deste negócio das feiras de levante (ou melhor dizendo, estes espaços das ‘boutique’ Alcofa, Gitane, etc. etc.) deverem ser instalados em sítios que tenham o devido enquadramento. Ora um sítio que se pretende venha a ser a zona desportiva da cidade, não me parece ser o melhor enquadramento para a instalação de tal ‘equipamento’. Nisto tenho de concordar com o Zézé Camarinha.
Pessoalmente não gostava de admitir, mas este executivo camarário parece apostado a que esta pobre terra vá dando, a cada dia que passa, mais uns passitos à retaguarda. E á pena!
Vá lá ó gentes da Câmara, deixem-se de medidas avulsas e populistas e revejam as vossa posições e estratégias, pois assim… assim, não!

Ah! Ainda uma palavrinha para dizer que gostei deste post do Zézé…

Pirolito disse...

Nem imaginam como eu anseio p'lo dia em que o mercado das boutiques venha p’rá zona desportiva!
Estou desertinho p’ra ir comer umas bifanas ou uns coiratos acompanhados por umas bejecas e ficar por ali à espera do jogo do marinhense…
Não vejo o dia!...

Perplexa disse...

Li e reli post e comentários e tenho de vos dizer que estou perplexa!
A feira dos trapos, das cassetes piratas e das tascas das bifanas e do pão com chouriço naquele sítio?
T'arrenego...
Ganhem mas é juizo!
Não só estou perplexa, estou muito confundida.

Anónimo disse...

Se outros exemplos não existissem, mas há muitos, estas opções de gestão da "coisa pública" são a demonstração plena da ausência de ideias, de iniciativas e de estratégias mobilizadoras de um Concelho que vai perdendo o vigor, definhando de forma acelerada, sem que se vislumbre o mínimo rasgo de génio de quem dirige, porque já perdeu a capacidade intelectual para nos surpreender pela positiva.